Início Notícias Pesquisa de Mercado Novos Formas de Trabalho: tendências pós-pandemia

Novos Formas de Trabalho: tendências pós-pandemia

Pesquisa do GPTW revela as principais transformações nas formas de trabalho, contratação, flexibilidade e mobilidade no pós-pandemia

338
0
Foto: Thales Brandão

O trabalho remoto e o modelo híbrido não surgiram agora. Segundo a edição de 2020 do ranking “As 150 Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil” do GPTW, 73% das melhores organizações já ofereciam a prática do home office. Contudo, muitas empresas começaram a lidar com esses novos formatos, impulsionadas pela adesão global às normas de distanciamento, como demonstram os dados da pesquisa:

Atualmente, os funcionários estão trabalhando em qual modelo:

·        Híbrido: 46,8%

·        Totalmente remoto: 37,1%

·        Totalmente presencial: 16,1%

Dessas empresas, quantas já definiram uma política para o pós- pandemia?

·        Já adotaram uma nova política para o pós-pandemia:  30,2%

·        Estão em processo de análise para definir a nova política:  39,6%

·        Responderam que o assunto deve ser discutido em breve: 17%

·        Responderam que não faz parte da estratégia da empresa discutir uma nova política de trabalho: 13,1%

Das empresas que já definiram, quantas adotarão qual formato de trabalho?

·        Híbrido: 77,75%

·        Totalmente remoto: 12,7%

·        Totalmente presencial: 9,6%

Esses resultados reforçam que houve uma mudança estrutural nas empresas e muitas delas reconsideraram posicionamentos anteriores para adaptarem seus processos à nova realidade do mercado.  

Quando questionadas se fizeram um trabalho de pesquisa/escuta ativa dos funcionários sobre a possibilidade de retorno ao trabalho presencial, 62,7% das empresas responderam sim e que e 37,3% que não.

Quando entrevistadas sobre as preferências do formato de trabalho, as pessoas responderam que:

·        64,7% preferem o trabalho híbrido

·        16,4% desejam trabalhar 100% em home office

·        11,3% deseja trabalhar 100% presencial

·        7,7% não souberam responder

IMPACTOS DO TRABALHO REMOTO PARA AS EMPRESAS

Espaços físicos

Muitas organizações precisaram se reinventar para gerenciar equipes à distância, oferecer o suporte necessário para todas as pessoas e monitorar e garantir resultados satisfatórios. Com os escritórios sem utilização, e por tempo indeterminado, algumas empresas decidiram fechar os espaços de vez ou reduzi-los, já pensando em um retorno com menos pessoas trabalhando fisicamente ao mesmo tempo, conforme demonstrou a pesquisa, indicando uma propensão a um modelo híbrido, em que nem todas as pessoas trabalham no escritório no mesmo dia:

Manutenção dos espaços físicos:

·        75,9% mantiveram o(s) escritório(s) físico(s) normalmente

·        19,7% mudaram para um espaço menor ou reduziram o número de unidades/andares/postos de trabalho

·        4,3% fecharam o escritório físico

Quantas pessoas comportam os escritórios atuais?

·        O escritório comporta a todos: 48,5%:

·        O espaço físico comporta de 60% a 99% das pessoas: 21%:

·        De 30% a 59% das pessoas: 20,6%

·        De 1% a 29 % das pessoas: 9,8%

O escritório foi preparado ou adaptado para o trabalho presencial dentro do novo contexto de distanciamento social ocasionado pela pandemia?

·        72,1% – Sim

·        27,9% – Não

A empresa mudou a localidade do escritório durante a pandemia:

·        Não: 89,4%

·        Sim: 11,2%

IMPACTOS DO TRABALHO REMOTO PARA PROFISSIONAIS

Mudança de residência

A mobilidade proporcionada pelos novos formatos de trabalho possibilitou a mudança de residência para muitas pessoas, que optaram por sair de centros urbanos e regiões movimentadas para bairros mais afastados, tranquilos e até mesmo mais acessíveis financeiramente, conforme dados apresentados pela pesquisa:

A empresa já fez um mapeamento sobre o volume de profissionais que se mudaram (bairro, cidade ou país) por conta da pandemia e das novas condições de trabalho (remoto ou híbrido):

·        Não: 82%

·        Sim: 18,5%

Das empresas que fizeram o mapeamento, qual o percentual de funcionários que se mudou?

·        De 1 a 5%: 51,1% de respondentes

·        De 6% a 20%: 35,8% de respondentes

·        De 21 a 50%: 10,7% de respondentes

Mais de 51%: somente 2,5% de respondentes.

NOVAS FORMAS DE CONTRATAR

Muitos setores foram impactados pelas restrições causadas pela pandemia, o que contribuiu para um aumento expressivo das demissões e da taxa de desemprego no país, que atingiu a média de 13,5% em 2020, segundo o IBGE.

Empregos nas áreas de serviços que demandam atendimento presencial e funcionam somente em ambientes físicos foram os mais prejudicados. No entanto, em alguns setores e empresas, inclusive nas entrevistadas para este relatório, houve contratação mesmo nesse cenário instável, como demonstra a pesquisa:

A empresa contratou profissionais durante a pandemia?

·        Sim: 93,1%

·        Não: 5,5%

·        Não sei: 1,4%

O processo aconteceu de forma remota?

·        Sim: 70,7%

·        Não: 29,3%

Considerando as contratações de forma remota, quantos funcionários foram contratados?

·        De 1 a 10: 23%

·        De 11 a 50: 31,8%

·        De 50 a 100: 16,5%

·        Mais de 100: 28,7%

Se antes era necessário filtrar talentos por localização, agora, com a possibilidade do trabalho remoto, pessoas de praticamente todas as localidades — considerando as características de cada organização — podem ser selecionadas, de acordo com a pesquisa:

A empresa passou a contratar funcionários de outras localidades, que não a da sede?

·        Sim, de outras cidades e estados: 56,3%

·        Não: 36%

·        Sim, de outras cidades, estados e países: 7,8%

NOVOS BENEFÍCIOS PARA NOVAS DEMANDAS

Benefícios de mobilidade

Com os novos formatos de trabalho, foi necessário repensar os planos para encontrar benefícios que realmente fizessem sentido para as pessoas e também para a empresa. A pesquisa levantou as informações de como as empresas estão atendendo as necessidades das pessoas que estão trabalhando em locais diferentes e em situações também particulares. Segundo Gustavo Gracitelli, CEO da Bynd, “agora, muitas empresas já trabalham com a perspectiva real de reduzir seus escritórios ou, ao menos, descentralizá-los, mas ainda não planejam construir uma política de mobilidade corporativa eficiente e centrada nas pessoas. É tempo de mudar! Através de uma política simples é possível causar impactos direitos e imediatos na vida das pessoas, na produtividade das empresas e na dinâmica das cidades. Exemplos desses impactos não faltam”.

No contexto das políticas de trabalho de sua empresa, houve alguma mudança nos benefícios de mobilidade oferecidos:

·        Não: 59%

·        Sim: 26%

·        Estão revisando a política: 14,7%

Quais as principais mudanças nos benefícios de mobilidade que foram ou serão implementados?

·        Ainda não foram discutidas: 28,30%

·        Está em discussão: 25,20%

·        Não haverá mudanças: 23,20%

·        Flexibilização dos benefícios (mudanças de regras): 18,20%

·        Soluções alternativas de deslocamento: 9,20%

·        Mudanças nas políticas de viagem/ deslocamento: 7,80%

Outros resultados também demonstram indecisão, característico de momentos de transição, onde ainda há muito a se pesquisar para chegar a uma solução viável e vantajosa, como segue:

Quais os benefícios oferecidos antes da pandemia e os que serão oferecidos pós-pandemia (comparativo) ?

·        Vale-transporte (com ou sem desconto em folha): de 78,4% para 49,1%

·        Vaga de estacionamento ou auxílio: de 37,2% para 23,3%;

·        Vale combustível ou auxílio combustível: de 26,6% para 21,2%;

·        Fretado ou auxílio fretado: de 20% para 12,8%;

·        Incentivo aos transportes ativos: de 10% para 8,7%;

·        Carro como benefício: de 11,8% para 8,2%;

·        Carona corporativa: de 5,9% para 5,6%.

·        Uber/99/táxi para ir e voltar do trabalho:  de 9,2% para 10,4%

8,7% dos respondentes disseram que incentivarão esportes ativos pós-pandemia com a implantação de bicicletário, vestiário e grupos de caminhada.

O Great Place to Work é uma consultoria global que apoia organizações a obter melhores resultados por meio de uma cultura de confiança, alto desempenho e inovação. Nossa missão é construir uma sociedade melhor, transformando cada organização em um Great Place to Work For All.

Fundado há 25 anos por Robert Levering e Amy Lyman, o GPTW traz em sua marca o prestígio e o reconhecimento internacional por aplicar pesquisas de clima, certificar e reconhecer os melhores ambientes de trabalho em 109 países, impactando mais de 12 milhões de funcionários. Além da ferramenta de análise do ambiente corporativo e do reconhecimento das Melhores Empresas para Trabalhar nos rankings, o GPTW oferece o serviço de consultoria para organizações dos mais variados portes e setores de atividade. Liderança, Transformação Digital, Diversidade e Employee Experience são alguns dos temas desenvolvidos pelo nosso time.

Artigo anteriorHalls participa do clipe “Halls Preto”, novo hit de Lucas Lucco
Próximo artigoBráulio Bessa recita poema em homenagem aos produtos Nokia
Editor Executivo do Portal CidadeMarketing.com.br > Mestre em Comunicação e Sociedade pela Universidade Federal de Sergipe. Possui MBA Executivo em Administração com ênfase em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas - Rio de Janeiro. Consultor, Palestrante e Pesquisador sobre Empreendedorismo, Marketing, Redes Sociais e Negócios Digitais. Professor, Palestrante TedxTalks e Campus Party.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui