Início Notícias Balanço de Vendas de setembro confirma o reaquecimento do varejo na capital,...

Balanço de Vendas de setembro confirma o reaquecimento do varejo na capital, aponta ACSP

Estudo da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) indica 20,9% de aumento nas vendas do comércio no último mês, comparado a agosto; com a proximidade do Dia das Crianças, outubro tende a manter sua trajetória de crescimento, embora ainda em patamar inferior ao do ano passado

275
0
Divulgação

O Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) de setembro confirma o crescimento da economia na capital, mesmo em época de pandemia. Segundo dados preliminares da Boa Vista Serviços (BVS), a curva do mês fechou com elevação média de 20,9% comparada a agosto. 

Os números, no entanto, são menores do que os registrados na primeira quinzena de setembro que foi de 35,8% de alta em relação aos mesmos 15 dias também de agosto. Esses dados mais aquecidos refletem as promoções de vendas dos lojistas na chamada Semana do Brasil, em comemoração ao Dia da Independência. Apesar disso, os dados gráficos mensais mostram que há uma curva econômica ascendente e que o aumento das vendas é gradativo desde que houve o relaxamento do isolamento social. 

Essa tendência gradativa, combinada com a aproximação do Dia das Crianças, promete um período positivo para o varejo.  “Temos a expectativa de que as vendas aumentem de 15% a 20% em relação aos números registrados neste Balanço”, projeta Marcel Solimeo, economista da ACSP. “Embora o Dia das Crianças não seja a data mais importante do calendário comemorativo, é uma data é importante para os segmentos de brinquedos e roupas infantis. É possível que, por conta de as crianças estarem em casa, os pais tenham ainda mais interesse em presenteá-las para entretê-las”, explica.

A derrubada da economia no município e seu retorno de crescimento gradativo podem ser contados em números. Para isso, basta que se comparem percentuais fechados do mês com o mesmo período de 2019, fora do contexto da Covid-19, e, logo após, com o período em que ocorreu o relaxamento do isolamento social. Em março, por exemplo, época em que as pessoas começaram a ficar em casa, registrou-se um recuo de 27% em relação aos 30 dias correspondentes do ano anterior. Nos meses posteriores, a ACSP apontou balanço de -63,8% e -67% (abril e maio) também comparado ao período similar de 2019. O reaquecimento da economia começa a acontecer em seguida com -54,9%, -47,7%, -33,6% (junho, julho e agosto respectivamente) e, agora, setembro, com -14,6%.  

“As vendas de outubro devem continuar crescendo como tem crescido a cada mês sobre o mês anterior, reduzindo a queda que enfrentamos, neste momento de pandemia, em relação ao ano passado”, afirma Solimeo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui