Início Notícias Bairro em Maceió está afundando e área pode se tornar um deserto;...

Bairro em Maceió está afundando e área pode se tornar um deserto; Governo Federal e CPRM estudam o fenômeno

2762
0
Reprodução

Historicamente, o bairro Pinheiro, localizado no município de Maceió (AL), vem apresentando surgimentos de inúmeras fissuras e afundamentos em moradias e vias públicas. Esses fenômenos se intensificaram após as fortes chuvas de verão, ocorridas em 15 fevereiro de 2018, e o abalo sísmico (tremor de terra) de magnitude 2,4 mR (escala de magnitude regional para o Brasil), no dia 3 de março de 2018, nesta região.

O evento produziu danos significativos, como fissuras, trincas e rachaduras em edificações, ruas e passeios em uma área expressiva do bairro, inclusive com a interdição de diversas moradias.

A Secretaria Adjunta Especial de Defesa Civil do Município de Maceió foi então acionada pela população (ocorrência RO-0170/2018). Após reunir evidências e averiguar o cenário, solicitou apoio da CPRM, através da sua Superintendência Regional de Recife.

Complementarmente, em 23 de maio de 2018, estabeleceu-se um grupo de trabalho multidisciplinar envolvendo Prefeitura Municipal de Maceió, Defesa Civil de Alagoas e Maceió, Serviço Geológico do Brasil – SGB/CPRM, Agência Nacional de Mineração – ANM, Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres – CENAD e Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN.

Com o objetivo de informar a população sobre os estudos que o Serviço Geológico do Brasil – CPRM vem desenvolvendo no bairro Pinheiro, formulamos abaixo algumas perguntas e respostas que serão constantemente atualizadas conforme os trabalhos forem avançando e os resultados sendo obtidos.

Os números da Defesa Civil são 0800-0306205 e (82) 3315-1437.

O Governo Federal, por meio do Ministério de Minas e Energia, oficializou no mês passado (14/01) a determinação já anunciada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, em relação à atenção prioritária de órgãos vinculados ao Executivo para os estudos que buscam identificar as causas do surgimento de fissuras no bairro Pinheiro. A oficialização foi publicada no Diário Oficial da União, na edição de ontem, em portaria assinada pelo ministro Bento Albuquerque.

O apoio do Governo Federal se deu por intermédio do prefeito Rui Palmeira e foi reforçado na no mês passado (11), quando o Executivo se pronunciou, por meio de nota à imprensa, garantindo as ações necessárias para viabilizar a identificação do fenômeno. De acordo com a publicação, o Serviço Geológico do Brasil e a Agência Nacional de Mineração, que são vinculados ao Ministério de Minas e Energias, devem priorizar e intensificar ações de diagnóstico e monitoramento de instabilidade no Pinheiro.

“O trabalho é bastante complexo e, em virtude da mobilização iniciada pela Defesa Civil de Maceió, garantimos junto ao Governo Federal o apoio fundamental para que este estudo seja concluído. Estamos empenhando todos os esforços de acordo com a competência da Prefeitura. As secretarias municipais de Maceió estão engajadas para prestar todos os serviços necessários à população, e agora vamos intensificar as ações para que, tão logo, a situação seja esclarecida e os órgãos competentes possam definir as medidas necessárias diante do caso”, ressaltou o prefeito Rui Palmeira.

Mais de vinte especialistas estão envolvidos com os trabalhos em Maceió, profissionais de referência no Brasil e designados pelo Governo Federal para o andamento dos estudos. Nesta semana, os técnicos participam de uma série de reuniões com gestores da Prefeitura e do Governo do Estado para alinhamento de ações, em especial sobre a elaboração do Plano de Contingência, que envolve as três esferas governamentais executivas. Os pesquisadores devem, também, se reunir com representantes dos moradores para esclarecimentos em relação ao trabalho que está em andamento.

Em nota a Braskem que atua na região com exploração de Sal-Gema disse:

“Todas as operações da Braskem são seguras. A empresa reitera que nenhum estudo feito até o momento mostrou qualquer relação entre as atividades de mineração de sal e as rachaduras nas edificações do bairro do Pinheiro. A empresa vem apoiando e atuando em conjunto com as autoridades para tentar esclarecer as causas dos acontecimentos que têm impactado o bairro.”

CidadeMarketing com informações do Governo Federal e CPRM

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui