Início Notícias Receita da Ambev no Brasil cresce 16,7% no primeiro trimestre; Consumo de...

Receita da Ambev no Brasil cresce 16,7% no primeiro trimestre; Consumo de cerveja aumenta

66
0

Ambev S.A. [B3: ABEV3; NYSE: ABEV] anuncia hoje os resultados do primeiro trimestre de 2019. As informações operacionais e financeiras a seguir, exceto quando indicado o contrário, são apresentadas em Reais nominais, preparadas de acordo com os critérios do padrão contábil internacional (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board (IASB) e com as práticas contábeis adotadas no Brasil emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e aprovadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). As informações aqui contidas devem ser lidas em conjunto com os relatórios financeiros do período de três meses findo em 31 de março de 2019 arquivados na CVM e apresentados a Securities and Exchange Comission (SEC).

Receita líquida (ROL): A receita líquida aumentou 13,7% no 1T19, com acréscimo no volume de 5,7% e crescimento na receita líquida por hectolitro (ROL/hl) de 7,5%. A receita líquida cresceu no Brasil (+16,7%), na América Central e Caribe (CAC) (+12,7%) e na América Latina Sul (LAS)1 (+14,5%), e caiu no Canadá (-3,1%). No Brasil, o volume cresceu 12,4% e a ROL/hl aumentou 3,9%. Na CAC, o volume e a ROL/hl cresceram em 9,1% e 3,3%, respectivamente. Na LAS, o volume caiu 10,6% e a ROL/hl subiu 27,1%. No Canadá, enquanto a variação do volume foi negativa (-4,3%), a ROL/hl aumentou em 1,2%. Custo dos Produtos vendidos (CPV): No 1T19, o CPV e o CPV excluindo a depreciação e amortização cresceram 16,1% e 14,9%, respectivamente. Em uma base por hectolitro, o CPV (CPV/hl) aumentou 9,8% enquanto o CPV excluindo a depreciação e amortização cresceu 8,6%, principalmente devido a pressões inflacionárias da Argentina, câmbio e elevação dos preços de commodities, levemente compensados pelo menor preço do açúcar. Despesas com vendas, gerais e administrativas (SG&A): No 1T19, o SG&A e o SG&A excluindo a depreciação e amortização cresceram 5,8% e 5,9%, respectivamente, abaixo da nossa inflação média ponderada (aproximadamente 9%). O aumento foi impulsionado por (i) provisões de remuneração variável, que não tivemos no 1T18, e (ii) pela pressão inflacionária na Argentina, parcialmente compensadas por projetos voltados a despesas relacionadas a non-working money. EBITDA, Margem Bruta e Margem EBITDA: No 1T19, o EBITDA alcançou R$ 5.120,7 milhões, com um crescimento orgânico de 16,4%, margem bruta de 59,6% (-90 pontos-base) e margem EBITDA de 40,5% (+100 pontos-base). Lucro líquido ajustado e LPA: O lucro líquido ajustado foi de R$ 2.762,4 milhões no 1T19, 6,2% mais alto que no 1T18, impulsionado por um EBITDA maior, parcialmente compensado por um aumento nas despesas financeiras. O lucro por ação ajustado no trimestre foi R$ 0,17 (+6,1%). Fluxo de caixa operacional e CAPEX: O fluxo de caixa das atividades operacionais no 1T19 foi R$ 2.080,1 milhões (+121,2%) e os investimentos em CAPEX alcançaram R$ 546,1 milhões (+15,5%).

Brasil A receita líquida de cerveja Brasil no 1T19 cresceu 15,4%, impulsionada por um crescimento no volume de 11,3% e um crescimento na ROL/hl de 3,7%. Esse resultado foi uma consequência de (i) crescimento de um dígito baixo da indústria de cerveja, de acordo com a Nielsen, em conjunto com um menor peso do segmento value no trimestre; (ii) clima favorável e o carnaval tardio; e (iii) investimentos transformacionais em nossas plataformas estratégicas nos últimos anos no Brasil, mesmo em um momento de volatilidade externa e ambiente macroeconômico desafiador, os quais nos colocaram em uma posição mais forte para competir no mercado de cervejas brasileiro. O EBITDA da unidade de cerveja Brasil cresceu 5,4%, com uma contração de margem de 400 pontos base para 42,0%. O CPV foi impactado por maiores preços de alumínio e da cevada e pelo câmbio. O SG&A cresceu menos que a inflação no período, mesmo com pressão adicional proveniente das provisões do remuneração variável, que não tivemos no 1T18. Excluindo as provisões do remuneração variável, o crescimento do EBITDA de cerveja Brasil foi de aproximadamente 7,0%. Em nosso negócio de bebidas não-alcóolicas Brasil (NAB Brasil), a receita cresceu 25,1%, com volume 16,3% maior e ROL/hl crescendo 7,6%. A indústria teve crescimento de um dígito baixo, de acordo com a Nielsen. O EBITDA cresceu 31,9%, com uma expansão de margem de 170 pontos-base para 33,6%, com custos mais altos de alumínio sendo compensados por preços menores de açúcar e alavancagem operacional. O SG&A de NAB foi impactado pelas provisões do remuneração variável e por maiores despesas de distribuição relacionadas ao aumento do volume, parcialmente compensadas por economias em non working money assim como o faseamento das despesas do 1T19.

AMBEV tem como estratégia de longo prazo baseada em nossas plataformas e continuaremos a investir nelas: Expandir o premium com escala  O portfolio premium continua liderando o crescimento orgânico da Ambev e temos consistentemente ganhado participação de mercado no segmento premium. Ainda existe um longo caminho a frente para a tendência de expansão do premium, que irá impulsionar nossos resultados pelos próximos anos.  Nosso portfólio de marcas globais, composto por Budweiser, Stella Artois e Corona, cresceu mais que 50% no trimestre.  A Budweiser, nossa maior marca global, foi a marca premium com o maior número de menções em plataformas digitais no trimestre, um aumento de 100% em comparação ao primeiro trimestre de 2018. O trimestre foi marcado pelas campanhas do dia internacional da mulher, do SuperBowl e do Lollapalooza.  A Stella Artois manteve seu ritmo sólido de crescimento no 1T19, suportado pela contínua expansão de novas embalagens, como as garrafas para compartilhar e as novas latas. Mantivemos o foco na plataforma gastronômica com mais uma edição de sucesso do nosso evento proprietário Villa Stella Artois no Rio de Janeiro. A Corona mais do que dobrou seu volume. Com o lançamento oficial da parceria com a ‘Parley for the Ocean’ para limpar 20 praias brasileiras em 2019, junto com o nosso campeão da World Surf League, Gabriel Medina, a marca alcançou seu maior número de menções nas mídias sociais de todos os tempos.  O portfolio premium doméstico também atingiu resultados importantes no trimestre, com Serramalte e Original crescendo dois dígitos. Diferenciar o Core  Investimentos transformacionais foram feitos no nosso segmento core nos últimos anos, com novas identidades visuais para as marcas, melhorias nas embalagens e lançamento de novos líquidos, construindo um portfólio que oferece aos consumidores uma variedade de escolhas para diferentes gostos e ocasiões.  A Brahma, nossa lager clássica, continua crescendo bem acima da indústria, trimestre após trimestre. No primeiro trimestre lançamos uma nova campanha reforçando que a marca está presente nas vidas dos consumidores brasileiros já há muito tempo.  A Skol, nossa easy drinking lager, fechou o verão com um carnaval bastante forte. A marca promoveu as festas de rua mais importantes do Brasil, proporcionando experiências inovadoras para mais de 37 milhões de consumidores em mais de 31 cidades.  A Skol Puro Malte contribuiu com o crescimento da família Skol, apesar de ainda estar sendo lançada nacionalmente. Até agora, o produto obteve um incrível sucesso. Ter três variedades de líquidos suporta o conceito de família e a família Skol cresceu no trimestre.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here