Início Notícias TV Brasil estreia documentário especial sobre Estação Primeira de Mangueira

TV Brasil estreia documentário especial sobre Estação Primeira de Mangueira

Produção da emissora pública resgata passagens curiosas de personagens da escola de samba

89
0
Divulgação/TV Brasil

Em homenagem aos 90 anos da Estação Primeira de Mangueira, a TV Brasil estreia um documentário especial sobre a escola de samba nesta quinta-feira, 11 de outubro, dia em que o saudoso cantor e compositor Angenor de Oliveira, o Cartola, um dos fundadores da agremiação, faria 110 anos. O especial vai ao ar às 23h45.

Ao mesclar imagens do acervo da emissora pública e gravações recentes durante as comemorações da efeméride, o longa “Mangueira, 90 anos de histórias” destaca curiosidades e reflexões contadas por personalidades da Verde e Rosa.

Em 52 minutos, o documentário inédito com narração da jornalista Neise Marçal faz um resgate histórico sobre os bastidores da tradicional agremiação. A obra revela causos de sambistas que são testemunhas da trajetória da escola.

Entrevistas antigas e atuais costuram a trama com cenas dos desfiles do passado e do presente. O documentário apresenta uma trilha sonora que inclui clássicos de Cartola como “Sim” e “Fiz por você o que pude” na voz do próprio artista além de sambas de enredo da Mangueira.

Ícones já falecidos como Cartola, Dona Neuma e Dona Zica contam histórias recuperadas a partir de material de arquivo. Nelson Sargento, Hermínio Bello de Carvalho e Tantinho da Mangueira são alguns dos astros que não deixam o samba morrer e conduzem a narrativa do filme.

A produção da TV Brasil ainda traz a palavra das novas gerações com o depoimento das netas das baluartes Dona Zica e Dona Neuma. Bambas como Monarco, da Portela, e Dudu Nobre, da Mocidade, também falam sobre seus encontros com a escola irmã e as parcerias de composições que marcaram época.

Depoimentos resgatam criação da escola

Histórias das crianças que desfilavam debaixo das saias das baianas, a participação feminina na escola, a origem do apelido de Cartola e o período em que o músico ficou afastado da escola são alguns dos episódios rememorados no documentário.

“A Mangueira quando eu cheguei lá era formada por blocos. Eu saia no bloco de mestre Cadinho”, conta Dona Neuma, em entrevista recuperada pela TV Brasil do acervo preservado pelo canal. Nos anos 1920, um grupo de rapazes criou o Bloco do Arengueiros. “Eram só homens”, assinala a diva.

Os entrevistados falam sobre o comportamento desses pioneiros e relatam sobre as disputas da época. “Eles discutiram bastante antes de fazer a escola”, revela Dona Neuma. A produção rememora outros grandes mangueirenses que fundaram a escola ao lado de Cartola em 1928, como Carlos Cachaça, com a fusão de diversos blocos e o advento de umas das agremiações mais tracionais do carnaval carioca.

Entre uma recordação e outra, o documentário da emissora pública enumera ainda outros tantos nomes que tinham comprometimento com a comunidade e fizeram diferença em sua passagem pela escola como Saturnino, Jamelão, Marcelino, Abelardo, Seu Euclides, Zé Espinguela, Delegado e Paqueta.

Momentos marcantes da Mangueira

A conquista do supercampeonato de 1984 na inauguração do Sambódromo com o enredo “Yes, nós temos Braguinha” também merece destaque no documentário do canal público. Naquela ocasião, a escola desfilou e voltou na Avenida após chegar à Praça da Apoteose.

Do alto de seus 94 anos, o veterano Nelson Sargento lamenta a ausência naquele desfile mítico. “A única coisa que eu me arrependo muito foi não estar na inauguração do Sambódromo com a Mangueira campeã. Isso me dói. Não é um negócio que se perca”.

O bamba lastima o ocorrido. “Das muitas coisas que já aconteceram comigo, essa me abalou o coração. A Mangueira é a primeira campeã do Sambódromo e o Nelson Sargento não estava lá”, recorda o experiente músico.

Criado na região do morro onde fica a escola, Tantinho da Mangueira desfila na agremiação desde 1952. “Quando dá aquela batida lá embaixo só você sendo para saber. Não sendo não dá para saber. Como é a reação no corpo, no espírito, na alma. A Mangueira é absoluta na minha vida. A minha vida é Mangueira”, comenta Tantinho.

O experiente compositor e produtor musical Hermínio Bello de Carvalho é taxativo. “A Mangueira é tão grande que nem cabe explicação”, afirma o pesquisador de 83 anos que defende a valorização da cultura nacional.

Depoimentos de Cartola e Dona Zica estão no filme

O documentário “Mangueira, 90 anos de histórias” recupera filmagens históricas do casal Cartola e Dona Zica. O bamba se sentia satisfeito e feliz em ter criado a escola, atribuído o nome e as cores verde e rosa.

“De qualquer maneira, sempre valeu a pena. Tudo que a gente faz na vida por gosto, vale a pena. Tudo que você tem vontade de fazer, quer fazer e consegue fazer, vale a pena. Você se sente realizado”, disse Cartola sobre a Mangueira em depoimento encontrado no acervo da TV Brasil.

“Cartola era uma boa criatura. Era calmo e quieto. Não era exibido. Ele ficava apavorado quando alguém gritava seu nome ao passar no ônibus. Ele era tímido demais. Às vezes eu brigava com ele por isso”, conta Dona Zica, pseudônimo de Euzébia Silva do Nascimento, primeira-dama da escola, em material do arquivo preservado pela emissora pública.

Entre várias participações especiais, o filme desenvolvido pela TV Brasil entrevista a produtora Nilcemar Nogueira, neta de Cartola e Dona Zica. Ela explica que entre as realizações do avô está a composição do primeiro samba oficial da escola e dos sambas dos primeiros desfiles também.

“A grande lembrança que eu tenho da Mangueira são dos meus avós. Dona Zica foi uma grande guerreira do samba, uma dama, mas ao mesmo tempo uma figuro feminina forte. Cartola era uma liderança na comunidade e referência como sambista”, define.

A escritora Marília Trindade Barboza também participa do longa. No documentário, ela apresenta informações relevantes sobre a trajetória da agremiação e sobre os sambistas que ajudaram a tornar a Mangueira a referência que é hoje na folia carioca.

Monarco reflete sobre a relação entre Portela e Mangueira

O filme inédito ainda apresenta divertidas históricas contadas pelo portelense Monarco, amigo de Cartola. Aos 85 anos, o experiente sambista lembra de acontecimentos que marcaram sua história na juventude junto com o mangueirense e destaca a relação construída ao longo dos anos entre as duas escolas.

A experiência em compor com Cartola e outros bambas é citada com frequência por Hildmar Diniz, nome de batismo de Monarco, que é discípulo de Paulo da Portela, pai de Paulinho da Viola.

Essa relação íntima entre as agremiações é explanada pelo cantor e compositor. “Nos anos 1930, as escolas se estranharam, mas isso logo se acabou. Com a elegância do Cartola e a educação do Paulo, eles fizeram uma bela amizade e tornaram-se, inclusive, parceiros musicais”, ensina sobre as duas escolas mais antigas do Rio de Janeiro.

Imbuído de alegria, humildade e entusiasmo, Monarco entoa, no decorrer do filme gravado pela TV Brasil, alguns dos sambas compostos em parceria por diversos sambistas da Portela e da Mangueira.

Hermínio Bello de Carvalho ratifica essa ideia de fraternidade. “Paulo da Portela ia visitar Cartola em sua casa. Eram amigos. Não existia rivalidade entre eles. Os dois compositores amavam suas escolas. Não tinham que ser necessariamente as vencedoras. Era um amor diferente, um amor de raiz mesmo”, sentencia o artista. “Essa gente impregnou a minha vida, minha poesia”, completa.

Dudu Nobre valorizam passado e presente

Apesar de ser Mocidade Independente de Padre Miguel, o também sambista Dudu Nobre também enaltece a Verde e Rosa. “A Mangueira tem uma importância gigantesca no mundo do samba. Com certeza todos os sambistas foram influenciados pela Mangueira. Eu tive o prazer de cantar na Marquês de Sapucaí na ‘paradona’ quando teve um enredo do Cacique de Ramos e sentir toda essa energia”, afirma.

O músico destaca a identidade da bateria, as características especiais e a grandiosidade da agremiação. “A Estação Primeira de Mangueira é a maior escola de samba do planeta. Isso Luizito já falava. Eu tenho um respeito muito grande pela Mangueira”, comenta.

Em seu depoimento, Dudu Nobre resgata da memória um dos grandes puxadores da escola que faleceu em 2015. A partir de 2007, Luizito sucedeu o eterno intérprete Jamelão, que encarnava o espírito da Mangueira e morreu em 2008, como voz oficial da escola na Avenida.

Ficha Técnica

Direção: Carlos Colla e Henrique Lima

Narração: Neise Marçal

Roteiro: Carlos Colla e Carol Rocha

Produção: Carol Rocha, Ingrid Gassert, Marina Barreto, Neise Marçal e Poliana Guimarães

Apoio à Produção: Jefferson Albuquerque e Maria do Socorro Cardoso

Produção Musical: Newton Cardoso

Pesquisa: Celso Serrão, Fábio Jorge e Pedro Modesto

Pós-produção: Andrea Palma

Edição e Finalização: Carlos Colla

Duração: 52 min.

Classificação indicativa: Livre

 

Serviço

“Mangueira, 90 anos de histórias”

Estreia dia 11 de outubro (quinta-feira), às 23h45, na TV Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here