Início Notícias Inovação aberta favorece participação de pequenos negócios em processos inovadores de grandes...

Inovação aberta favorece participação de pequenos negócios em processos inovadores de grandes empresas

Tema foi destaque durante o segundo dia do Congresso Brasileiro da Inovação da Indústria, realizado em São Paulo, em formato híbrido

355
0


A inovação aberta tem possibilitado que pequenos negócios contribuam no desenvolvimento de soluções tecnológicas de grandes empresas. É o caso da startup ShowKase, especializada em soluções de e-commerce 360º, que em 2019, com o apoio do Sebrae, participou de um projeto de inovação aberta para digitalizar os lojistas que compravam de um grande player do varejo nacional. Nesta quinta-feira (10), o CEO da empresa, Jefferson Araújo, compartilhou a experiência para a plateia do painel “O essencial em estratégias corporativas de inovação aberta”, do Congresso Brasileiro da Inovação da Indústria. O evento é uma realização do Sebrae em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Segundo Jefferson, a experiência de inovação aberta fez toda a diferença para que a empresa desse um salto no mercado, com grandes resultados. Para que projetos como esse alcancem o sucesso, o CEO acredita que deve haver uma conscientização dos dois lados. “ Tanto a startup que tem que estar apta para conversar com as grandes empresas, quanto essas precisam ter um ecossistema preparado para receber essa startup”, avaliou.

O diretor técnico do Sebrae, Bruno Quick, também participou do painel do Congresso. Além de destacar o esforço do Sebrae para que a estratégia de inovação aberta seja permanente entre os pequenos negócios, ele reforçou a necessidade de dar visibilidade e sistematizar a oferta de inovação para as grandes empresas. “Primeiro, é preciso organizar minimamente para que os pequenos negócios sejam capazes de fazer essas conexões. Então, nosso trabalho vai desde ajudar na identificação de potenciais, como as startups, bem como habilitando-as para acesso a recursos e – mais recentemente – com a oferta de bolsas de inovação”, declarou.

Mediadora do painel, a diretora de Inovação da CNI, Gianna Sagazio, por sua vez, ressaltou a inovação aberta como uma estratégia complementar para que as empresas possam inovar. Segundo ela, é preciso que o espírito seja de cooperação entre os diversos atores e parceiros. “Deve haver a compreensão de que a colaboração é fundamental para as nossas empresas para que juntos possamos de fato desenvolver o Brasil”, pontuou.

Na ocasião, a líder global de P&D da Natura, Roseli Mello, aproveitou a oportunidade para compartilhar as experiências da empresa com inovação aberta. Segundo ela, há 20 anos, a Natura deu o primeiro passo ao realizar o primeiro programa de colaboração com a comunidade científica. Atualmente a empresa desenvolve dois programas, o Natura Campus e o Natura Startups que se apoia nessa estratégia. “Eu acredito que além de uma questão cultural da empresa, essa também é uma questão de persistência e organização”, comentou.

Artigo anteriorUniversal Music Publishing Brasil (UMPG) e a Pineapple Storm firmam acordo exclusivo de representação de catálogo
Próximo artigoMicrosoft apresenta Conecta+, iniciativa de qualificação profissional e conexão com oportunidades no mercado de trabalho
Editor Executivo do Portal CidadeMarketing.com.br > Mestre em Comunicação e Sociedade pela Universidade Federal de Sergipe. Possui MBA Executivo em Administração com ênfase em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas - Rio de Janeiro. Consultor, Palestrante e Pesquisador sobre Empreendedorismo, Marketing, Redes Sociais e Negócios Digitais. Professor, Palestrante TedxTalks e Campus Party. Twitter: @ThalesBrandao

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui