Início Notícias Bolsas do Instituto TIM apoiam nordestinos medalhistas da matemática durante a pandemia

Bolsas do Instituto TIM apoiam nordestinos medalhistas da matemática durante a pandemia

361
0

O Instituto TIM e o Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) concluíram a seleção de 50 novos universitários para o programa Bolsa Instituto TIM – OBMEP. O Nordeste é a região com a maior quantidade de medalhistas beneficiados: são 24 bolsistas ao todo. Desse total, dois são de Sergipe e estão cursando medicina e engenharia eletrônica. O apoio é concedido a estudantes que tenham conquistado medalhas de ouro, prata ou bronze em alguma edição da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) e ingressado em faculdades públicas. Os novos bolsistas já começaram a receber o valor de R$ 1.200 mensais, mesmo no cenário atual, com aulas online na maioria das instituições de ensino.

“Os jovens selecionados para a Bolsa Instituto TIM – OBMEP ganham um suporte ainda mais importante nesse momento de pandemia e poderão manter seus estudos mesmo à distância. Muitas famílias perderam suas rendas, tiveram que cortar custos, e o Instituto TIM, ao garantir esse apoio financeiro, permite que alunos de todo o país possam realizar o sonho de cursar o ensino superior. É um diferencial que pode transformar vidas, abrindo novas possibilidades”, destaca Mario Girasole, presidente do Instituto TIM.

Na edição de 2020, mais de 700 jovens se candidataram às Bolsas Instituto TIM-OBMEP. Entre os critérios de avaliação, foram considerados a nota no Exame Nacional do Ensino Médio, a renda familiar per capita e a distância entre a universidade e o local de moradia. O programa existe desde 2015 e tem como objetivo apoiar financeiramente os talentos vindos de famílias de baixa renda para que, depois de uma vida escolar de premiações na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas, possam manter seus estudos e ingressar em uma faculdade.

Este ano, quase metade das bolsas do Instituto TIM foram conquistadas por estudantes nordestinos. Foram seis no Ceará, quatro em Pernambuco, três na Bahia, três no Rio Grande do Norte, três no Piauí, duas no Maranhão, duas em Sergipe e uma na Paraíba. O número corresponde a 48% do total.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui