Início Notícias ABIH-MG pede o fim da cobrança injusta do ECAD nos quartos de...

ABIH-MG pede o fim da cobrança injusta do ECAD nos quartos de hotéis

258
0
Foto: Thales Brandão

Diante da crise financeira no setor hoteleiro provocada pela pandemia, a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Minas Gerais (ABIH-MG) vem a público pedir o fim da cobrança das taxas do ECAD nos quartos dos hotéis e reforça a necessidade do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), incluir esse item na pauta de votação da Medida Provisória número 948. Apenas no ano passado, o ECAD arrecadou R$ 1 bilhão e 100 mil reais, sendo que, desse montante, a hotelaria contribui com mais de R$ 23 milhões, ou seja, apenas 2,7%. A contribuição dos hotéis para entidade é pequena, mas faria muita diferença nos cofres das hospedagens, principalmente neste momento de queda do turismo nacional. Por isso, a ABIH-MG pede mais transparência no ECAD e promete entrar com uma solicitação junto aos deputados federais mineiros para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar se os recursos recolhidos estão realmente sendo direcionados para os artistas e também apresentará ao Ministério Público uma representação sobre o mesmo tema.

O presidente da ABIH-MG, Guilherme Sanson, diz que a reivindicação do setor está alinhada com o momento atual em que os hotéis lutam para manter as portas abertas e pagar a folha salarial. Ele explica ainda que a taxa cobrada pelo ECAD se baseia apenas na presença de aparelhos eletrônicos dentro do quarto, como televisão e rádio, e que, mesmo se o hóspede não ligá-los, a hospedagem tem que arcar com esses valores. “Não estamos questionando o pagamento do ECAD nas áreas sociais, como piscina, restaurante e hall, mas da cobrança nos quartos que, segundo a Lei Geral do Turismo e entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), é considerado um local privado e exclusivo do hóspede. Essa taxação se equivale ao mesmo que querer cobrar da população por ouvir alguma música dentro de sua casa, por exemplo. Além disso, as TVS abertas e por assinatura já recolhem o ECAD, bem como as plataformas digitais como Spotify e a Netflix. Ou seja, a entidade está recolhendo pelo mesmo serviço duas vezes”.

Para pôr fim a essa injustiça, a ABIH-MG irá solicitar aos deputados federais da bancada de Minas Gerais que coloquem em votação a MP 948, que prevê a cobrança do direito autoral apenas nas áreas comuns dos hotéis e não nos apartamentos. Essa é uma demanda antiga do setor hoteleiro, que estava na pauta do Congresso Nacional desde o ano passado na MP 907 e foi retirada da votação devido às pressões dos artistas. “Para o setor hoteleiro, a aprovação dessa medida provisória é de extrema importância e urgência, pois o segmento está passando por grandes dificuldades financeira devido à pandemia do coronavírus e a manutenção de alguns empregos dependem disso, pois hoje os hotéis têm que decidir entre pagar os funcionários ou o ECAD”.          

Outro ponto que também será reivindicado pela Associação é de mais transparência no repasse dos recursos para os compositores. Atualmente, o ECAD recolhe mais de R$ 1 bilhão e não apresenta nenhuma prestação de contas para a sociedade. Sanson finaliza dizendo que a ABIH-MG segue trabalhando para acabar com as distorções no pagamento dessa taxa e que mais lisura nas contas do ECAD é fundamental. “Precisamos corrigir essa injustiça, pois o nosso segmento está no limite financeiro e não vamos mais aceitar que o ECAD continue agindo dessa maneira, sem prestação de contas para a população e taxando duas vezes pelo menos serviço”, conclui.    

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui