Início Notícias Impactos da pandemia provocam revolução digital na gestão pública

Impactos da pandemia provocam revolução digital na gestão pública

507
0

“A crise causada pela Covid-19 acelerou o ritmo das transformações digitais no país e está provocando mudanças profundas no comportamento das pessoas. Isso não tem volta, é irreversível, é um ganho para todos nós”, ressaltou o presidente do Serpro, Caio Mario Paes de Andrade, nesta quinta-feira, dia 4, ao participar do debate sobre os impactos provocados por essa pandemia na gestão pública, juntamente com o secretário de Governo Digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro, e o presidente da Empresa de Tecnologia e Informação da Previdência (Dataprev), Gustavo Canuto. O Webinar “Arena de Ideias – Transformação Digital na Gestão Pública” foi promovido pela In Press Oficina.

“O Serpro é o propulsor dessa transformação. Na sua essência, é uma empresa de inovação. Foi criado para informatizar a Receita Federal, algo inédito nos anos 60. Inovação no serviço público tem como desafio viabilizar o atendimento cada vez melhor ao cidadão. O Estado precisa ficar mais eficiente, melhorar a sua gestão, e isso somente pode ocorrer por meio da transformação digital. O Serpro evoluiu de uma empresa de processamento de dados para uma empresa de inteligência de sistemas de dados, baseados em evidências, tanto para o setor público quanto para o mercado privado”, acrescentou o presidente Caio.

O secretário de Governo Digital, Luis Felipe Monteiro, fez um balanço do impacto da pandemia sobre a gestão pública, dizendo que, entre janeiro de 2019 até agora, o governo transformou 728 serviços públicos para digitais, mas que, surpreendentemente, no período da pandemia, de 15 de março até 4 de junho, o governo atingiu a marca de 150 serviços digitalizados. “Aceleramos o nosso processo de transformação digital, oferecendo praticamente dois serviços digitalizados por dia. Isso mostra que, em situação de crise, respondemos mais rápido. A pandemia tirou a lenda de que o digital era uma opção, era simplesmente ser moderno, algo que poderia ser deixado para depois. A crise trouxe a necessidade, nos mostrou a realidade de que o digital é pra agora, por ser a única alternativa. Isso fez com que as mentalidades mudassem rapidamente, até dentro do próprio governo”, ressaltou. 

Diante desse processo, Luis Felipe Monteiro disse que o governo vai aproveitar todas as janelas para acelerar a digitalização dos serviços públicos. “É fundamental o fortalecimento da confiança. A estratégia de governo digital 2020 para 2022 busca aproximar o governo do cidadão, busca disponibilizar serviços públicos 24h por dia, sete dias por semana, em todos os lugares que o cidadão quiser, diminuindo distâncias. Reconquistar a confiança dos brasileiros que viveram tantos anos angustiados com a incapacidade do governo de lhe dar resposta é o nosso desafio”, acrescentou.

Estratégia para o futuro

O governo propõe uma revolução tecnológica até 2022. Com isso, 100%  dos serviços federais para o cidadão, mais de 3 mil, deverão estar em canal digital. “A nossa estratégia prevê a complementação de canais, não de substituição total, porque temos de atender a todos. A grande maioria dos cidadãos utiliza canais digitais, mas ainda uma parcela da população, por opção, ou por não ter acesso a tecnologias, utiliza os serviços presenciais e telefônicos.

A transformação digital é um processo de muitos ganhos. Ganha o governo, porque o serviço digital é mais eficiente e 97% mais barato para a entrega. Ganha o cidadão incluído digitalmente, porque terá as facilidades do governo a qualquer dia e hora. Ganha, também, o cidadão excluído digitalmente que terá à sua disposição atendimentos a serviços presenciais sem congestionamento e, consequentemente, mais rápidos.

O portal gov.br é a marca que une o governo na jornada digital disponível no celular para o cidadão. Esse serviço traz todas as notícias e informações dos órgão do governo num único local. 

Dataprev

“Os impactos da pandemia colocou uma das missões da Dataprev, que é prover cidadania digital ao alcance de todos, à prova, quando teve de processar milhões de dados para garantir o auxílio emergencial a quase metade da população brasileira. A lei 13.982 foi publicada no dia 2 de abril e seis dias depois já estava sendo efetivado o pagamento referente ao Cadastro Único. Isso somente foi possível, porque a Dataprev tem experiência, comprovada em seus 40 anos de existência”, informou o presidente da empresa, Gustavo Canuto.

De lá para cá, a Dataprev já processou mais de 130 milhões de requerimentos e o benefício já chegou a mais de 100 milhões de cidadãos, em pouco mais de 60 dias. “O nosso trabalho é um processo contínuo de aperfeiçoamento. Para nos auxiliar no combate a fraudes e disponibilizar o auxílio a quem realmente tem direito, o Serpro e a Secretaria de Governo Digital têm buscado novas bases de dados para vencermos os desafios”, acrescentou Gustavo Canuto.

Serviço em nuvem

Dando início ao seu Projeto Multi cloud, o Serpro fechou, recentemente, contrato com a  Amazon Web Services, também conhecido como AWS, para prestação de serviços em nuvem. “A tendência de todos os países é de atuar na nuvem. A nuvem melhora a eficiência dos serviços de TI e reduz, consideravelmente, os preços. A segurança dos dados não é alterada, porque quem protege os dados são os softwares, não importando que tipo de tecnologia está sendo utilizada, se data center próprio, ou na nuvem”, ressaltou o presidente Caio Paes de Andrade. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui