Início Notícias Compras online de itens de vestuário ganham destaque durante o isolamento social,...

Compras online de itens de vestuário ganham destaque durante o isolamento social, diz pesquisa IBOPE Inteligência

- Webinar promovido pela marca LYCRA® trouxe resultados inéditos da pesquisa Monitoramento da Nova Rotina - consumo, marcas e opinião, da IBOPE Inteligência

434
0

O isolamento social recomendado para ajudar no combate à covid-19 mudou significativamente a rotina de boa parte da população mundial e brasileira e, consequente, o modo de consumir.

A pesquisa Monitoramento da Nova Rotina – consumo, marcas e opinião, realizada pela IBOPE Inteligência, revelou que apesar da crise financeira causada pelas ações de combate à pandemia, 40% já fez compras de vestuário e, metade desse índice, o equivalente a 20%, realizou as transações de forma online.

Com uma amostra de 1.500 pessoas com internet em todo Brasil, a pesquisa contou com cinco ondas (uma rodada por semana), de 20 de março a 20 de abril, e  também apresentou os dados de consumo de moda. A divulgação do levantamento ocorreu no Webinar “Consumidores e Marcas: a nova rotina de consumo”, realizado na última quarta-feira (13 de maio) e promovido pela The LYCRA Company, empresa mundialmente reconhecida pelo desenvolvimento de soluções inovadoras e tecnologias para a indústria de vestuário.

O evento contou com a participação de Andréa Braga, diretora de atendimento e planejamento do IBOPE Inteligência, e Marcella Kanner, head de comunicação corporativa e marca das Lojas Riachuelo, além das executivas da The LYCRA Company, Adriana Morasco, Vice-Presidente para a América do Sul, e Silvana Eva, Gerente de Marketing.

Segundo a executiva do IBOPE Inteligência, ainda que de forma lenta, há uma tendência de crescimento de transações online. “Além disso, ainda que o consumidor não esteja comprando na quantidade habitual, ele continua pesquisando informações na internet. Por isso, é importante que as marcas continuem aparecendo e com ações positivas para a sociedade”.

Andréa destaca que entre os clientes que fizeram transações online, as lojas de departamento ainda representam a maior parte das compras para jeans (43%) e roupa íntima (33%). Para roupas esportivas, a maior parcela das compras, 40%, é feita em lojas especializadas contra 31% das lojas de departamentos. Na moda praia, o índice é de 33% para ambos os segmentos (departamento e especializada).

Para Adriana, a pesquisa também deixa claro a importância da cultura do cuidado, com marcas mais humanizadas, que sabem o seu papel na sociedade e que ajudam no combate à pandemia com alguma ação. “Além disso, a necessidade de agilidade para ler esse momento de transformações que a pandemia impôs é o que ficará para o futuro. No varejo, as empresas já estavam aderindo ao online, mas a covid-19 trouxe uma aceleração nesse processo”.

Na prática

As Lojas Riachuelo, que conta com e-commerce desde 2017, suspendeu as atividades de todas as suas lojas físicas e têm focado nas vendas online, que mais que dobraram nesse período de pandemia. Desde o isolamento social, o ritmo desse segmento já ultrapassa os resultados da temporada de Black Friday.

Segundo Marcella, a empresa passou a se comunicar por meio das lives, quando o consumidor estava mais aberto a compras. “Com isso, conseguimos mais de um  milhão de novos downloads do aplicativo nos meses de março e abril. A empresa também abriu novos canais de vendas, como o WhatsApp e uma rede de afiliados, soluções que vieram para ficar”, detalha.

A executiva destaca ainda que em função do trabalho home-office, há uma busca por roupas confortáveis, mas que deixem as pessoas arrumadas, já que há muitas reuniões online.

Silvana lembra que conforto sempre foi o atributo número um nas pesquisas realizadas pela marca LYCRA®, independente do tipo de roupa. “A busca pelo conforto veio para ficar e verificamos marcas criando produtos dentro dessa linha. Outra tendência, de acordo com dados das unidades LYCRA® sediadas em países que estão na frente do Brasil no ciclo de pandemia, é que os consumidores têm buscado qualidade no lugar de preço. Eles vão querer produtos que não sejam descartáveis e que durem mais tempo”.

Adriana completa e diz acreditar em uma moda mais justa, inclusiva e sustentável. “Uma peça de qualidade, que dura mais tempo no guarda-roupa, faz o consumidor mais sustentável”. Ela lembra ainda que é importante a valorização do produto nacional. “O setor têxtil brasileiro emprega mais de 10 milhões de pessoas, direta e indiretamente, das quais 75% são mulheres. É a indústria de transformação que mais emprega mulheres no Brasil. Vivemos um momento único e temos a oportunidade de fortalecer a indústria nacional”, conclui.

Caso não tenha assistido ao webinar, acesse o vídeo no canal da LYCRA® no Youtube

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui