Início Notícias Capas da ELLE Brasil, Caetano Veloso, Pabllo Vittar e MJ Rodriguez falam...

Capas da ELLE Brasil, Caetano Veloso, Pabllo Vittar e MJ Rodriguez falam com exclusividade sobre novos projetos, política e representatividade

Precursora grandes nomes, modelo gaúcha Shirley Mallmann também é uma das estrelas da capa da nova edição impressa da revista, que circula a partir de segunda-feira, dia 20

233
0

Caetano Veloso, Pabllo Vittar, MJ Rodriguez e Shirley Mallmann estrelam as cinco capas em acabamento deluxe do volume 5. Nas páginas da ELLE, o compositor, a drag queen mais seguida do mundo e a primeira atriz trans indicada a uma categoria principal do Emmy Awards fazem poses inéditas e falam com exclusividade sobre novos projetos, conquistas e representatividade. Falam também sobre música e como enxergam a concreta (e nada poética) realidade sombria do panorama político brasileiro e mundial. O volume 5, impresso premium da ELLE Brasil, circula a partir desta segunda-feira, 20, (https://elle.com.br/st/assine) 

Recém-saído de uma turnê de 11 shows pela Europa, após mais de dois anos sem cantar para plateias, Caetano Veloso acaba de lançar “Anjos Tronchos”, primeiro e único single antes da estreia oficial de “Meu Coco”, seu novo álbum de inéditas previsto para outubro. O projeto chega depois de nove anos de jejum de discos novos do cantor. Em entrevista exclusiva à ELLE Brasil, Caetano, que brilha em duas capas com ensaio estonteante produzido no sul da Córsega, revela detalhes do conceito criativo da obra. 

“A canção que dá título ao álbum diz tudo: ‘Meu Coco’. Ou seja, é tudo o que passa na minha cabeça. É uma mirada atual sobre temas recorrentes em meu trabalho: nomes, fantasias que esboçam uma decifração do Brasil, homenagens a meus amores”, conta. À revista, o filho de Dona Canô relata como foi o processo de gravação em meio à pandemia, elenca o time musical de peso que formou para criar o projeto e situa o novo álbum de inéditas no conjunto da sua obra. Caetano também fala sobre o momento atual do País. “Cultivo um otimismo programático porque o chato pessimismo a respeito do Brasil nos exime de responsabilidades”, crava.   

Ainda sobre o Brasil, um dos países mais LGBT-fóbicos do mundo, de que forma é possível existir (e resistir) com sucesso uma figura como Pabllo Vittar? Essa é a pergunta (quase existencial, vale salientar) que a maioria dos veículos internacionais tem feito acerca da cantora que vem despontando mundo afora. Chamada pelo The New York Times de “um emblema da fluidez de gênero no país”, além de artista que cria os “hinos não oficiais da comunidade LGBTQIA+”, Pabllo é estrela não somente da nova edição impressa premium, como também da ELLE View, revista digital mensal com conteúdos exclusivos da ELLE. 

A cantora, que acaba de participar do EP de remixes lançado por Lady Gaga, surge esplêndida como uma sereia nas páginas da revista. Clicada na Ilha Diana, uma vila de pescadores situada em Santos, litoral de São Paulo, Vittar falou abertamente sobre vida pessoal e carreira. Falou também a respeito do passado, do presente e do futuro, seu e do País. Nas eleições de 2022, a cantora pretende usar sua força e alcance para apoiar a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva, a quem brinca chamando de “meu ex”, caso ele seja candidato à presidência.

“Estou só esperando o ano que vem para poder votar. Vai ser Lula em 2022. Sou a primeira a levantar essa bandeira porque passei por muita coisa nessa vida. Eu lembro quando o Bolsa Família foi criado (2004) e eu pude ir ao mercado fazer compras para a minha mãe. Quem não teve que passar por isso fala o que quer”, afirma a cantora, que chegou a viver com a família em um assentamento do Movimento Sem Terra.“Eu era pequena, mas lembro bem. Foi no Pará. Muita gente não procura entender nem a ponta do iceberg, não sabe do que o MST se trata ou o que é uma ocupação. Mas, pela minha experiência, eu posso afirmar que fui feliz. Apesar da simplicidade, eu estava rodeada de pessoas que me respeitavam. Às vezes, você não tem recursos, mas tem gente que te respeita, ama e encoraja. E isso é tudo”, garante Pabllo. 

Outra referência de força, coragem e representatividade forjada no seio da comunidade LGBTQIA+ é MJ Rodriguez, que concorre ao Emmy de melhor atriz em série dramática por sua atuação em “Pose”, uma das mais badaladas dos últimos anos, cuja terceira e última temporada foi lançada na quarta-feira, 15. A intérprete da protagonista Blanca poderá fazer história no próximo domingo, 19 de setembro, caso se torne a primeira mulher transgênero a receber o prêmio na 73ª edição do Emmy. Dona de um estilo único, destemido, a atriz foi clicada para a ELLE Brasil em Nova York horas antes da passagem do furacão Ida. Tempestade, porém, é o que ela causa nas imagens da capa e do recheio da revista, com looks baphônicos e poses ar-ra-sa-do-ras de voguing. 

Com exclusividade à ELLE, Michaela Jaé revela detalhes da criação da protagonista de “Pose”. “Interpretá-la foi uma honra e um aprendizado porque ela é extremamente forte. Foi difícil para mim em certos momentos, porque tive de lidar na série com coisas que já aconteceram na minha vida”, conta a atriz. Após o fim de “Pose”, MJ voltou-se à música, um amor antigo. Em julho passado, a artista lançou seu primeiro single, “Something to say”, enquanto planeja um álbum de inéditas. “A música foi minha primeira paixão, quando eu tinha uns quatro anos. Sabia que tinha algum talento. Mas mergulhei realmente na música na faculdade. Tento seguir como uma artista musical tanto quanto posso, porque atuar tomou uma boa parte da minha vida agora”, conta.

Vanguarda – Pioneirismo é o que “traduz” o volume 5 da ELLE Brasil. “Se tem uma coisa que todos os artistas têm em comum é o fato de terem aberto caminho para outros. E, como setembro tradicionalmente é o mês mais importante para as revistas de moda, não poderíamos nos esquecer de celebrar a modelo que foi precursora de nomes como Gisele Bündchen: a também gaúcha Shirley Mallmann. Incorporando uma espécie de Ziggy Stardust da atualidade, ela explora outros mundos em looks estelares. Em tempos em que muitos de nós gostaríamos de fugir para a Lua, esta edição é um convite ao ‘otimismo programático’ de Caetano Veloso e à redescoberta de tudo que temos de bom dentro da nossa estrela azulada”, explica Susana Barbosa, diretora editorial da ELLE.

A nova edição impressa premium da revista ainda traz um bate-papo com Lenny Niemeyer e Alexandre Herchcovitch, duas das mentes mais criativas da moda brasileira. No ano em que celebra 30 anos de carreira, a dupla fala sobre suas trajetórias e comenta as mudanças no mercado ao longo das últimas três décadas. Outra conversa exclusiva da ELLE é com Olivier Rousteing, contando como recria e renova o legado de Pierre Balmain. Como se não bastasse, as páginas do volume 5 ainda trazem um conteúdo intrigante sobre perfumes históricos que ganharam interpretações visuais de novos artistas brasileiros. A “última palavra” da nova edição da ELLE Brasil traz uma gravura emocionante criada por Céu, uma menina de sete anos que publica seus desenhos no perfil da mãe, @raisssa_braga, no Instagram.

Artigo anteriorCitroën lança ação promocional para SUV C4 Cactus
Próximo artigoGrupo FQM® anuncia nova agência de comunicação
Editor Executivo do Portal CidadeMarketing.com.br > Mestre em Comunicação e Sociedade pela Universidade Federal de Sergipe. Possui MBA Executivo em Administração com ênfase em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas - Rio de Janeiro. Consultor, Palestrante e Pesquisador sobre Empreendedorismo, Marketing, Redes Sociais e Negócios Digitais. Professor, Palestrante TedxTalks e Campus Party.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui