Início Notícias Consumidor Investigações apontam que amostras de cerveja Belorizontina da marca Backer continham dietilenoglicol

Investigações apontam que amostras de cerveja Belorizontina da marca Backer continham dietilenoglicol

230
0
Divulgação

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) confirmou que oito pessoas foram acolhidas por doença cujos sintomas são de insuficiência renal e problemas neurológicos. Sete pessoas estão internadas, e uma morreu em decorrência da doença.

Trata-se do bancário Paschoal Demartini Filho, de 55 anos, que era morador de Ubá, na Zona da Mata. Ele chegou a ficar internado em Juiz de Fora, também na mesma região, e morreu na terça-feira (7). O corpo dele foi necropsiado pela Polícia Civil em Minas Gerais.

Segundo familiares, ele e um genro ingeriram a Belorizontina no bairro Buritis, região Oeste, no fim de dezembro. Esse genro de 37 anos também está internado com sintomas semelhantes.

Inquérito

A Polícia Civil instaurou inquérito, nesta quinta-feira (9), para apurar as causas da “doença misteriosa”. Também nesta quinta, a instituição esteve na cervejaria para recolher amostras da bebida.

Comunicado da Cervejaria Backer

Após entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira, dia 09/01, a Polícia Civil divulgou laudo informando que a substância dietilenoglicol foi identificada em duas amostras da cerveja Belorizontina, recolhidas na casa de clientes. Vale ressaltar que essa substância não faz parte do processo de produção da cerveja, fabricada pela Cervejaria Backer. Por precaução, os lotes em questão – L1 1348 e L2 1348 – citados pela Polícia Civil, e recolhidos na residência dos consumidores, serão retirados imediatamente de circulação, caso ainda haja algum remanescente no mercado. A Cervejaria Backer continua à disposição das autoridades para auxiliar no que for necessário até a conclusão das investigações.

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, diante do laudo apresentado pela Polícia Civil, que comprova a presença de substância tóxica em cerveja consumida por pacientes internados em estado grave, em Belo Horizonte, convocou os profissionais da força tarefa que está investigando os casos, para definição dos encaminhamentos médicos, epidemiológicos e da Vigilância Sanitária, que serão informados posteriormente por meio de nota.

Da SMS-BH

A Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte informa que está disponível para receber, exclusivamente, cervejas da marca “Belorizontina” de moradores de Belo Horizonte, que possuem o produto para consumo próprio. Não serão recebidos produtos de bares, restaurantes e supermercados. O material ficará sob custódia da Secretaria para encaminhamento das investigações necessárias. 

A entrega deve ser feita de segunda a sexta, das 8 às 17 horas, nos seguintes endereços:

  • Barreiro: Av Olinto Meireles, 327 – Barreiro
  • Centro-Sul: Av. Augusto de Lima, 30 – 14ª andar – Centro
  • Leste: Rua Salinas, 1.447 – Santa Tereza
  • Nordeste: Rua Queluzita, 45 – Bairro São Paulo
  • Noroeste: Rua Peçanha, 144, 5º andar – Carlos Prates
  • Norte: Rua Pastor Murilo Cassete, 85 – São Bernardo
  • Oeste: Av. Silva Lobo, 1.280, 5º andar – Nova Granada
  • Pampulha: Av. Antônio Carlos, 7.596 – São Luiz
  • Venda Nova: Av. Vilarinho, 1.300 – 2º Piso – Parque São Pedro

Em 30 de dezembro de 2019, o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS Minas) foi notificado da ocorrência de um caso de insuficiência renal aguda com alterações neurológicas de um paciente internado em hospital privado de Belo Horizonte. Em 31 de dezembro, foi notificado um segundo caso, com os mesmos sintomas, de um paciente internado em hospital de Juiz de Fora. A partir dessas notificações, foi desencadeada uma investigação conjunta do CIEVS Minas e CIEVS BH com o objetivo de esclarecimento diagnóstico, e busca de novos casos. Até 6 de janeiro de 2020, foram notificados 7 casos suspeitos, com início de sintomas mais precoce datado de 19 de dezembro de 2019. São pacientes do sexo masculino, com idade entre 23 e 76 anos, 5 residem em Belo Horizonte, 1 em Ubá e 1 em Nova Lima; 6 deles internados em hospitais da região metropolitana de Belo Horizonte e 1 em Juiz de Fora. A média de dias entre o início dos primeiros sintomas e a internação foi de 2,5 dias. Todos com insuficiência renal aguda de rápida evolução (até 72 horas) e alterações neurológicas centrais e periféricas. Exames laboratoriais estão sendo realizados na Fundação Ezequiel Dias (FUNED) e ainda não há resultados conclusivos.

Na noite de ontem, 7 de janeiro, um dos pacientes foi a óbito em Juiz de Fora, onde estava internado. As investigações seguem seu curso, realizadas pela força tarefa composta por técnicos da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) e CIEVS Minas, da Secretaria Municipal de Saúde de BH (CIEVS BH) e do Ministério da Saúde (EpiSUS Avançado). O grupo esteve reunido, desde às 9 horas de hoje, para alinhamento das informações e dados colhidos até o momento e definição dos trabalhos nos próximos dias. Foram notificados 2 novos casos: 2 homens (56 e 64 anos de idade), moradores do bairro Buritis, que estão internados em hospital particular de Belo Horizonte. Dos 9 casos notificados, 1 foi descartado pelo fato de não apresentar os mesmos sintomas dos demais e por ter doença renal prévia.

Desde que foi notificada, a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte acompanha e monitora os casos e investiga os aspectos clínicos, epidemiológicos e sanitários que envolvem a ocorrência. Essa investigação abrange, inclusive, ação dos fiscais sanitários na coleta de alimentos e demais produtos, para análise laboratorial, além de vistorias nos locais de aquisição desses produtos.

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) informa que trabalha no levantamento de informações para verificar se o fato tem indícios de crime. As investigações estão em andamento, com a realização de entrevistas, comunicação com outras instituições públicas, entre outras providências pertinentes, primando por procedimentos científicos que permitam analisar se existe nexo entre os eventos e/ou vítimas. Até o momento, amostras de bebidas foram encaminhadas ao Instituto de Criminalística e estão sendo examinadas. Esclarece, ainda, que somente será instaurado inquérito policial se houver indicativos de ação criminosa. Outras informações serão divulgadas em momento oportuno.

A SES-MG informa que devem ser imediatamente notificados (em até 24 horas) ao CIEVS BH (casos de Belo Horizonte) e CIEVS Minas (casos do restante do estado), pelo telefone e por e-mail, os casos ocorridos a partir de primeiro de dezembro de 2019 que iniciaram com sintomas gastrointestinais (náusea e/ou vômito e/ ou dor abdominal) associados à insuficiência renal aguda grave de evolução rápida (até 72 horas) seguida de uma ou mais alterações neurológicas: paralisia facial, borramento visual, amaurose, alteração de sensório e paralisia descendente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui