Início Notícias Brasil é o segundo país em que a população mais superestima o...

Brasil é o segundo país em que a população mais superestima o nível de desemprego, aponta pesquisa Ipsos

Ranking compara opiniões sobre criminalidade, assédio sexual, meio ambiente, saúde, economia e outros com dados da realidade em 37 países

112
0

O Brasil é o segundo país do mundo em que a população mais superestima a proporção de pessoas desempregadas e que procuram trabalho. O palpite médio em todo o estudo foi 5 vezes maior do que o real (34% quando na realidade é mais próximo de 7%). No Brasil, a estimativa é de 60% de desempregados, enquanto a realidade é de 13%. O México lidera esse quesito, com 3% na realidade e percepção de 50%. Os dados são da pesquisa “Perigos da Percepção”, realizada pela Ipsos em 37 países, incluindo o Brasil.
O estudo também mostrou que quase todos os países tendem a subestimar o tamanho da sua própria economia em relação às outras. A maioria das pessoas colocou a classificação do PIB do país abaixo da realidade. Esse é o caso de economias emergentes como Argentina, África do Sul e Romênia. Mas, mesmo nos Estados Unidos, país com maior PIB entre todos, os cidadãos não enxergam a nação como a maior economia (a média de resposta foi 5º maior PIB).
Foram entrevistadas 28,1 mil pessoas, entre os dias 28 de setembro e 16 de outubro de 2018. A margem de erro para o Brasil é de 3,1 pontos percentuais. O estudo avalia o quanto as pessoas conhecem sobre as principais questões, características e realidade dos seus países, considerando os seguintes assuntos: crimes, assédio sexual, meio ambiente, sexo, saúde, economia e população. Entre os países com pior conhecimento, a Tailândia ficou em 1º lugar, seguida por: México (2º), Turquia (3º), Malásia (4º) e Brasil (5º). Confira a pesquisa completa em inglês, clique aqui
Crimes
Em várias nações, as pessoas estão equivocadas sobre o percentual de crimes cometidos com facas e armas de fogo em seu país. Embora em 13 países a maioria respondeu corretamente qual a modalidade que mais mata entre armas de fogo, objetos pontiagudos (facas) ou violência física, outros países não tiveram percepções que coincidem com as estatísticas.
No Brasil, 75% acreditam que as mortes acontecem por armas de fogo, 10% por facas e 14% por outro tipo de violência. A percepção da população está bem próxima da realidade: 68% por armas de fogo, 19% por facas e 13% por outro tipo de violência. Por outro lado, na Grã-Bretanha, 71% acreditam que as armas brancas causam mais mortes, quando na verdade representam apenas 25%.
Assédio sexual
Entre 13 países que possuem dados disponíveis, todos eles subestimam substancialmente a experiência das mulheres de assédio sexual em seu país. Em média, as pessoas acham que 39% das mulheres, maiores de 15 anos, sofreram assédio, mas na verdade, em média, 60% fora vítimas dessa agressão. Dinamarca, Holanda, França e Estados Unidos são os mais propensos a subestimar a extensão do assédio sexual em seu país.
Em cada país, os homens dão uma estimativa mais baixa de assédio sexual do que as mulheres. Em média, os homens acham que 36% das mulheres em seu país sofreram assédio sexual, mas o palpite das mulheres é de 44% (embora ainda seja subestimado).
Meio ambiente
A maioria dos países superestima a quantidade de energia utilizada proveniente de fontes renováveis em seu país. O palpite médio é de 26% quando, na verdade, é de apenas 19%. Malásia, Arábia Saudita, China e Cingapura foram as mais afastadas; alguns países, no entanto, subestimam o progresso que fizeram com as energias renováveis, como a Suécia e Montenegro.
População
Todos os países superestimam em grande medida os níveis de crescimento da população idosa. Em todos, em média, as pessoas acham que 54% da população terá mais de 65 anos em 2050, quando, na realidade, a projeção é inferior a metade (25%). No Brasil, a percepção é de 63% e a realidade é de 23% A maioria dos países também superestima os níveis de imigração. O palpite médio em 37 países é que 28% dos habitantes do país são imigrantes, quando o número real é menos da metade: 12%. Quase todos os países incluídos no estudo também superestimam sua população muçulmana por uma grande margem. O palpite médio foi mais do que o dobro do valor real (20% contra 8%).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here