Início Notícias Consumidor Serviços móveis alcançam 98,2% da população brasileira

Serviços móveis alcançam 98,2% da população brasileira

Segundo a Anatel, apenas 3,8 milhões de brasileiros não têm acesso ao serviço de celular, o que representa 1,8% do total de 206 milhões de brasileiros

291
0

Levantamento da Anatel confirma que o atendimento dos serviços de celulares está amplamente massificado no País. Segundo a agência, apenas 3,8 milhões de brasileiros não têm acesso ao serviço de celular, o que representa 1,8% da população, que é de 206 milhões. Isso mostra que 98,2% têm acesso aos serviços, segundo a Anatel.

A Telebrasil já vem alertando, há alguns anos, em seus estudos e propostas, para a necessidade de uso de fundos setoriais, como o Fust, e de alteração do marco regulatório, para permitir o atendimento a áreas remotas e à população de baixa renda.

Importante destacar que as metas de cobertura, determinadas nos leilões das licenças de telefonia móvel, não incluem todos os distritos. As regras preveem o atendimento de 80% da área urbana do distrito sede e mais uma faixa de 30 quilômetros além dos limites do distrito sede. Distritos que estiverem fora dessa área não estão nas obrigações de cobertura.

A meta foi definida dessa maneira porque a prioridade do governo para esses leilões foi ter uma arrecadação elevada com a venda das licenças e não ter a cobertura dos distritos. As estradas e áreas mais distantes sempre foram desconsideradas nos editais.

As redes das prestadoras, no entanto, têm uma cobertura muito maior que a obrigação. E não estamos falando só de telefonia celular, mas de acesso à internet móvel, que é a grande demanda da população. A cobertura de 3G está em 5.301 municípios, onde moram 99,3% da população brasileira, e o 4G já chega em 4.122 municípios brasileiros, onde moram 94,4% da população.

Essa cobertura está muito além das metas: a do 4G é quase quatro vezes superior à última obrigação, de 1.079 municípios, e a meta atual de 3G é de 3.917 municípios.

As telecomunicações e as Tecnologias da Informação, integradas nas TICs, têm que ser consideradas como essenciais e estruturantes pelos governos, porque são elas a principal alavanca para o desenvolvimento sustentável, com inclusão social, com geração de emprego e renda de alto valor adicionado.

Artigo anteriorRádio MEC AM do Rio de Janeiro celebra 95 anos com novidades
Próximo artigoOi desembarca na Game XP 2018 com internet de alta velocidade
Editor Executivo do Portal CidadeMarketing.com.br > Mestre em Comunicação e Sociedade pela Universidade Federal de Sergipe. Possui MBA Executivo em Administração com ênfase em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas - Rio de Janeiro. Consultor, Palestrante e Pesquisador sobre Empreendedorismo, Marketing, Redes Sociais e Negócios Digitais. Professor, Palestrante TedxTalks e Campus Party.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui