Início Notícias Quase metade da força de trabalho global está sob risco de perder...

Quase metade da força de trabalho global está sob risco de perder renda devido à COVID-19, diz OIT

317
0
Reprodução

Cerca de 1,6 bilhão de pessoas empregadas na economia informal – ou quase metade da força de trabalho global – podem ter seus meios de subsistência destruídos devido ao declínio contínuo das horas trabalhadas causado por bloqueios para conter a disseminação da COVID-19, disse a Organização Internacional do Trabalho (OIT) na quarta-feira (28).

O diretor-geral da OIT, Guy Ryder, disse que, à medida que a pandemia e a crise do emprego evoluem, a necessidade de proteger os trabalhadores mais vulneráveis ​​do mundo se torna ainda mais urgente.

Cerca de 1,6 bilhão de pessoas empregadas na economia informal – ou quase metade da força de trabalho global – podem ter seus meios de subsistência destruídos devido ao declínio contínuo das horas trabalhadas causado por bloqueios para conter a disseminação da COVID-19, disse a Organização Internacional do Trabalho (OIT) na quarta-feira (28).

Enquanto isso, mais de 430 milhões de empresas em setores mais afetados, como varejo e manufatura, passam por “sérias perturbações”, acrescentou a agência da ONU.

O diretor-geral da OIT, Guy Ryder, disse que, à medida que a pandemia e a crise do emprego evoluem, a necessidade de proteger os trabalhadores mais vulneráveis ​​do mundo se torna ainda mais urgente.

“Para milhões de trabalhadores, ficar sem renda significa falta de comida, segurança e futuro. Milhões de empresas em todo o mundo mal conseguem respirar. Elas não têm poupança ou acesso ao crédito”, afirmou.

“Essas são as faces reais do mundo do trabalho. Se não oferecermos ajuda agora, eles simplesmente perecerão.”

Queda na renda

As descobertas aparecem na terceira edição do “Monitor da OIT: COVID-19 e o mundo do trabalho“, divulgado na quarta-feira. Globalmente, existem cerca de 3,3 bilhões de trabalhadores. Dois bilhões têm empregos na economia informal, representando os trabalhadores mais vulneráveis ​​do mercado de trabalho.

A agência disse que 1,6 bilhão de pessoas na economia informal “sofreram danos maciços em sua capacidade de ganhar a vida” como resultado do colapso econômico criado pela pandemia da COVID-19.

Devido a bloqueios ou porque trabalham em setores atingidos, esses trabalhadores em todo o mundo tiveram uma queda de 60% na renda durante o primeiro mês da crise, segundo estimativas da OIT.

Isso se traduz em um declínio de mais de 80% na África e nas Américas, 70% na Europa e Ásia Central e 21,6% na Ásia e no Pacífico.

Queda nas horas trabalhadas

A agência da ONU estimou que, em comparação com os níveis anteriores à crise, haverá uma deterioração de 10,5% nas horas trabalhadas durante este segundo trimestre do ano, equivalente a 305 milhões de empregos em período integral. As projeções anteriores haviam estimado uma queda de 6,7%, ou 195 milhões de trabalhadores em período integral.

A situação piorou em todas as principais regiões, novamente em comparação com os níveis pré-crise. As estimativas do segundo trimestre sugerem uma perda de 12,4% das horas trabalhadas nas Américas e de 11,8% na Europa e Ásia Central. Todas as outras regiões terão perdas acima de 9,5%.

Empresas sob alto risco

A OIT acrescentou que a proporção de trabalhadores que vivem em países onde o fechamento do local de trabalho foi recomendado ou exigido diminuiu de 81% para 68% nas últimas duas semanas.

Embora isso se deva principalmente a mudanças na China, medidas de fechamento foram intensificadas em outros lugares.

Ao mesmo tempo, 436 milhões de empresas que operam nos setores de atacado e varejo, manufatura, acomodações e outros setores econômicos mais atingidos enfrentam “altos riscos de perturbações graves”.

Recuperação sustentável e eficaz

A OIT pede “medidas urgentes, direcionadas e flexíveis” para apoiar os trabalhadores e empresas, principalmente as pequenas, e os trabalhadores da economia informal.

“As medidas para reativação econômica devem seguir uma abordagem rica em empregos, apoiada por políticas e instituições de emprego mais fortes, sistemas de proteção social com melhores recursos e abrangentes”, recomendou a agência.

A OIT também enfatizou que a coordenação internacional sobre pacotes de estímulo e medidas de alívio da dívida será fundamental para tornar a recuperação eficaz e sustentável.

CidadeMarketing com informações da ONU.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui