Início Notícias Associação Brasileira de Caminhoneiros afirma que não é possível saber se a...

Associação Brasileira de Caminhoneiros afirma que não é possível saber se a categoria está organizando uma nova paralisação

405
0
Divulgação

Em nota para imprensa, Abcam afirma que ainda não foram resolvido os principais obstáculos solicitados pelos caminhoneiros e que ainda não tem como afirmar a existência de uma paralisação.

“A Associação Brasileira dos Caminhoneiros – Abcam – vem, por meio desta nota, reiterar seu posicionamento diante dos anúncios feitos pelo Governo Federal no que concerne ao transporte rodoviário de cargas.

A Abcam entende que, apesar do esforço feito pelo governo federal em buscar soluções para algumas reivindicações dos caminhoneiros, ainda não foram resolvidos os principais obstáculos: o cumprimento e a fiscalização da tabela mínima de frete e a oscilação constante dos preços do diesel.

Aumento do óleo diesel

O anunciou feito pela Petrobrás na tarde desta quarta-feira (17) gerou grande impacto no custo suportado pelos caminhoneiros, que estão enfurecidos com a notícia do aumento de dez centavos do diesel. É grande o número de queixas recebidas pela Abcam, tanto por telefone, quanto em suas redes sociais. Entretanto, ainda não é possível afirmar que a categoria está se organizando para uma nova paralisação.

A falta de estabilidade dos preços dos combustíveis é um dos grandes empecilhos para aqueles que tem como principal fonte de despesa o combustível fóssil. Assim, o caminhoneiro não consegue ter qualquer previsibilidade de seus custos, o que dificulta o cálculo do frete.

Piso mínimo de frete

O tabelamento do piso mínimo do frete garante uma estabilidade no preço para que o proprietário de caminhão consiga manter-se no período de safra e entressafra.

O descumprimento da tabela não é mais novidade. A falta de fiscalização pela ANTT contribui para o agravamento desta situação. Mesmo com o sistema eletrônico criado pela Agência, o qual poderia impedir a emissão da operação de transporte quando não atingisse o preço mínimo, o monitoramento não vem sendo feito.

Se não há agentes de fiscalização, nem sistema eletrônico que monitore o cumprimento da lei, o que resta ao caminhoneiro fazer para garantir seu direito adquirido?

A Abcam espera que não seja necessário chegar uma nova e traumática paralisação.

A expetativa é que cinco audiências públicas agendadas pela ANTT para discutir sobre o assunto resultem, de fato, em medidas efetivas que garantam a subsistência do caminhoneiro autônomo.

Pacote de Medidas

As medidas anunciadas pelo Ministério da Infraestrutura são positivas, entretanto, ainda deixam alguns questionamentos: Quais serão as regras, prazos e condições para abertura de crédito para os caminhoneiros?

Quando teremos as paradas de descanso? É importante lembrar que não serão construídos pátios de estacionamento da noite para o dia, muito menos o cartão combustível, ou mesmo o documento eletrônico de frete. Sendo assim, quando, efetivamente, os caminhoneiros poderão usufruir de tais medidas?”

Artigo anteriorPatrocinadora do Corinthians, ALE Combustíveis realiza ações de relacionamento na final do Campeonato Paulista de Futebol
Próximo artigoBURGER KING® cria campanha que traz o rolezeiro
Editor Executivo do Portal CidadeMarketing.com.br > Mestre em Comunicação e Sociedade pela Universidade Federal de Sergipe. Possui MBA Executivo em Administração com ênfase em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas - Rio de Janeiro. Consultor, Palestrante e Pesquisador sobre Empreendedorismo, Marketing, Redes Sociais e Negócios Digitais. Professor, Palestrante TedxTalks e Campus Party.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui