Início Notícias Digital Celular estava presente em 93,2% dos domicílios entre 2016 e 2017, aponta...

Celular estava presente em 93,2% dos domicílios entre 2016 e 2017, aponta IBGE

86
0

O percentual de domicílios que utilizavam a Internet subiu de 69,3% para 74,9%, de 2016 para 2017, representando uma alta de 5,6 pontos percentuais. Nesse período, a proporção de domicílios com telefone fixo caiu de 33,6% para 31,5%, enquanto a presença do celular aumentou, passando de 92,6% para 93,2% dos domicílios. Essas são algumas informações da PNAD Contínua TIC 2017, pesquisa domiciliar do IBGE que investiga o acesso à Internet e à televisão, além da posse de telefone celular para uso pessoal.
Entre as 181,1 milhões de pessoas com 10 anos ou mais de idade no país, 69,8% acessaram à Internet pelo menos uma vez nos três meses anteriores à pesquisa. Em números absolutos, esse contingente passou de 116,1 milhões para 126,3 milhões, no período. O maior percentual foi no grupo etário de 20 a 24 anos (88,4%). Já a proporção dos idosos (60 anos ou mais) que acessaram a Internet subiu de 24,7% (2016) para 31,1% (2017) e mostrou o maior aumento proporcional (25,9%) entre os grupos etários analisados pela pesquisa.


De 2016 para 2017, o percentual de pessoas que acessaram à Internet através do celular aumentou de 94,6% para 97,0% e a parcela que usou a televisão para esse fim subiu de 11,3% para 16,3%. Já a taxa dos que utilizaram microcomputador para acessar à Internet caiu de 63,7% para 56,6%.
“Enviar ou receber mensagens de texto, voz ou imagens por aplicativos diferentes de e-mail” foi a finalidade de acesso à rede indicada por 95,5% dos usuários da Internet. “Conversar por chamada de voz ou vídeo” foi a finalidade que apresentou o maior aumento de 2016 (73,3%) para 2017 (83,8%).


A parcela da população de 10 anos ou mais que tinha celular para uso pessoal passou de 77,1% (2016) para 78,2% (2017). Na área urbana, esse percentual era de 81,9%, e, em área rural, 55,8%, em 2017.
Em 96,7% dos 70,4 milhões de domicílios do país havia aparelho de televisão, dos quais 79,8% tinham conversor (integrado ou adaptado) para receber o sinal digital de televisão aberta. O percentual de domicílios que já recebiam esse sinal cresceu de 57,3% (2016) para 66,6% (2017) e a parcela dos que não tinham nenhuma das três condições de acesso ao sinal digital (conversor, antena parabólica ou televisão por assinatura) caiu de 10,3% (2016) para 6,2% (2017).


Internet chega a 74,9% dos domicílios do Brasil
De 2016 para 2017, o percentual de utilização da Internet nos domicílios subiu de 69,3% para 74,9%, ou três em cada quatro domicílios brasileiros. Foi um salto de 5,6 pontos percentuais, em um ano. Na área urbana, esse percentual de utilização cresceu de 75,0% para 80,1% e na área rural, de 33,6% para 41,0%.
Nos 17,7 milhões domicílios onde não houve utilização da Internet no período de referência da pesquisa, os motivos indicados pelos entrevistados foram: falta de interesse em acessar a Internet (34,9%), serviço de acesso à Internet era caro (28,7%), nenhum morador sabia usar a Internet (22,0%), serviço de acesso à Internet não estar disponível na área do domicílio (7,5%) e equipamento eletrônico para acessar a Internet ser caro (3,7%).
A indisponibilidade do serviço de acesso à Internet foi o motivo indicado em somente 1,2% dos domicílios da área urbana, contra 21,3% daqueles em área rural.

Das 181,1 milhões de pessoas de 10 anos ou mais, 69,8% (126,3 milhões) acessaram à Internet nos três meses anteriores à entrevista. Essa parcela era de 64,7% (116,1 milhões) em 2016. Na área urbana, esse percentual cresceu de 70,0% para 74,8%, e foi de 32,6% para 39,0% na área rural.

O grupo etário de 20 a 24 anos tinha o maior percentual de pessoas que acessaram à internet (88,4%) no período de referência e os idosos (60 anos ou mais), o menor (31,1%).

Na população idosa, a parcela que acessou a Internet subiu de 24,7% (2016) para 31,1% (2017), mostrando o maior aumento proporcional (25,9%) entre os grupos etários.

Na área rural, o percentual de mulheres que acessaram à Internet (41,9%) continuou maior que o de homens (36,3%). Entre as regiões, a diferença nos percentuais de acesso à internet nas áreas urbana e rural era grande, e a maior desigualdade (69,6% na urbana e 27,0% na rural) estava na região Norte.

O percentual de utilização da internet pela população com 10 anos ou mais de idade cresce de acordo com a escolaridade: o menor percentual de utilização estava entre as pessoas sem instrução (11,2%) e os maiores, entre aquelas com nível superior incompleto (97,7%) e com superior completo (96,4%).

De 2016 para 2017, o percentual de pessoas que utilizaram a Internet subiu de 75,0% para 80,4% na população ocupada e de 52,4% para 56,8% na não ocupada.

Celular é um meio de acesso à Internet para 97,0% dos usuários

O percentual de pessoas de 10 anos ou mais que acessou à Internet através do celular aumentou de 94,6% (2016) para 97,0% (2017) e a parcela que usou a televisão para esse fim subiu de 11,3% (2016) para 16,3% (2017).

Por outro lado, o percentual de pessoas que utilizaram microcomputador como via de acesso à Internet caiu de 63,7% para 56,6%, comportamento similar ao uso do tablet, cuja taxa de uso para esse fim caiu de 16,4% para 14,3%, no período.

95,5% dos usuários entram na Internet para trocar mensagens por aplicativos

“Enviar ou receber mensagens de texto, voz ou imagens por aplicativos diferentes de e-mail” foi indicado por 95,5% dos usuários como a finalidade de acesso à esta rede. Em 2016, esse percentual era de 94,2%. A finalidade “conversar por chamada de voz ou vídeo” foi a que apresentou o maior aumento de 2016 (73,3%) para 2017 (83,8%).

O percentual das pessoas que usaram a Internet para “assistir a vídeos, inclusive programas, séries e filmes” passou de 76,4% para 81,8% nesse período.

Entre as finalidades analisadas pela pesquisa, o percentual dos que entraram na rede para “enviar e receber e-mail“ foi o único a recuar, de 2016 (69,3%) para 2017 (66,1%).

A parcela da população que utilizou a conexão discada já era insignificante em 2016 (0,9%) e tornou-se ainda menor em 2017 (0,6%). Já o percentual da banda larga fixa subiu de 81,0% (2016) para 82,9% (2017) e continuou acima da banda larga móvel, que cresceu de 76,9% para 78,3% nesse período.

O percentual que utilizou os dois tipos de banda larga subiu de forma mais acentuada, de 2016 (58,3%) para 2017 (61,4%).

13,7% dos que não acessam à Internet acham esse serviço caro

Os motivos mais apontados pelas 54,8 milhões de pessoas de 10 anos ou mais que não utilizaram a Internet nos três últimos meses foram: não saber usar a Internet (38,5%), não ter interesse em acessar (36,7%) e achar que serviço de acesso à Internet era caro (13,7%).

O percentual de pessoas sem interesse em acessar a Internet tinha diferença acentuada entre a área urbana (39,7%) e rural (29,3%). O serviço de acesso à Internet não estava disponível nos locais que costumavam frequentar foi o motivo indicado por 12,9% das pessoas que não utilizaram esta rede na área rural, enquanto na área urbana foi de 1,7%.

78,2% das pessoas de 10 anos ou mais de idade tinham celular para uso pessoal

Na população de 10 anos ou mais, a parcela que tinha celular para uso pessoal passou de 77,1% (2016) para 78,2% (2017). Em 2017, na área urbana, esse percentual era de 81,9%, e, em área rural, 55,8%.

O percentual de pessoas com celular era menor entre as pessoas do grupo com 10 a 13 anos de idade (41,8%) e alcançou as maiores participações nos grupos etários de 25 a 29 anos (88,8%) e de 30 a 34 anos (88,9%), passando a cair gradualmente até os 63,5% entre os idosos (60 anos ou mais).

Esse indicador foi de 41,8% entre as pessoas sem instrução e de 97,5% entre os que tinham superior completo.

Entre as 39,4 milhões de pessoas que não tinham celular, 25,7% alegaram não ter o aparelho porque era caro; 23,2%, que costumavam usar o celular de outra pessoa; 21,3%; que tinham falta de interesse em ter um e 19,4%, alegaram que não sabiam usar o celular. O percentual de pessoas que indicaram que o serviço de telefonia móvel celular não estava disponível nos locais que costumavam frequentar foi de 8,2%, em área rural e somente de 0,4%, em área urbana.

O celular estava presente em 93,2% dos domicílios

De 2016 para 2017, diminuiu o percentual de domicílios com microcomputador (de 45,3% para 43,4%) e com tablet (de 15,1% para 13,7%).

Em 2017, em 5,1% dos domicílios não havia telefone e, em 2016, esse percentual era de 5,4%. O percentual de domicílios com telefone fixo caiu de 33,6% para 31,5% e os com celular subiu de 92,6% para 93,2%. A parcela dos domicílios em que existia somente telefone fixo passou de 2,0% (2016) para 1,7% (2017).

Nos domicílios com Internet, predomina o acesso através de celular

O celular foi o equipamento mais utilizado para acessar a Internet no domicílio (98,7% dos domicílios em que havia utilização da Internet). Em 2016, este percentual estava em 97,2%. O percentual dos domicílios que utilizaram somente telefone móvel celular para acessar esta rede também aumentou, passando de 38,6% (2016) para 43,3% (2017).

O percentual de domicílios com acesso à Internet através de microcomputador caiu de 57,8% em 2016 para 52,3% em 2017. Também diminuiu o percentual dos domicílios em que o microcomputador era o único meio de acesso à Internet: de 2,3% (2016) para 0,9% (2017).

O percentual de domicílios que utilizavam a internet e acessavam através da televisão subiu de 11,7% para 16,1%. Já o acesso via tablet estava presente em 15,5% dos domicílios em onde havia utilização desta rede em 2017 e, no ano anterior, em 17,8%.

Banda larga móvel estava em 78,5% dos domicílios com Internet

Nos 52,7 milhões de domicílios do país que acessavam à Internet, a parcela que utilizava conexão discada foi irrelevante, passando de 0,6% (2016) para 0,4% (2017).

O percentual dos que usavam banda larga móvel (3G ou 4G) passou de 77,3% para 78,5%, e dos que utilizavam a banda larga fixa, de 71,4% para 73,5%.

O uso dos dois tipos de banda larga cresceu de 49,1% (2016) para 52,2% (2017). Por outro lado, teve uma pequena queda no percentual de domicílios em que havia somente uso da banda larga móvel (de 26,7% para 25,2%) e no de domicílios em que havia somente uso de banda larga fixa (de 21,2% para 20,3%).

Na região Norte, o percentual de domicílios com acesso à Internet através da banda larga fixa ficou em 48,8%, nível muito abaixo dos resultados encontrados nas demais regiões, que foi de 74,2% (Nordeste) a 77,2% (Sul). Em relação aos domicílios em que havia uso da banda larga móvel, o menor percentual foi o da região Nordeste (63,8%) e os demais ficaram entre 78,6% (Sul) a 88,7% (Norte).

66,6% dos domicílios com TV recebiam o sinal digital via conversor

Entre os 70,4 milhões domicílios particulares permanentes do país, 3,3% não havia televisão. Esse percentual era de 2,8% em 2016. A parcela de domicílios que tinha televisão de tela fina subiu de 65,0% para 69,7% e a que tinha televisão de tubo caiu de 44,9% para 38,9%. Em 57,8% dos domicílios havia somente televisão de tela fina e em 27,0%, somente televisão de tubo.

Dos 68,1 milhões de domicílios com televisão, 79,8% tinham conversor (integrado ou adaptado) para receber o sinal digital de televisão aberta, ainda que não o estivesse captando. Em 2016, essa taxa era de 71,5%. Nos domicílios com televisão, o percentual dos que tinham este aparelho com conversor que já recebia sinal digital de televisão aberta cresceu de 57,3% (2016) para 66,6% (2017).

De 2016 para 2017, caiu de 10,3% (6,9 milhões) para 6,2% (4,2 milhões) a parcela dos domicílios que não tinham nenhuma das três condições de acesso ao sinal digital de televisão aberta (conversor, antena parabólica ou serviço de televisão por assinatura). Em área urbana, a queda foi de 10,5% (6,1 milhões) para 6,1% (3,6 milhões), e em área rural, de 9,0% (794 mil) para 6,8% (598 mil). Entre as grandes regiões, os maiores percentuais foram no Norte (11,3%) e no Nordeste (8,1%), tanto em área urbana como rural.

O percentual de domicílios com televisão que tinham recepção por antena parabólica passou de 34,8% para 32,5%, na área rural caiu de 73,1% para 70,5% e na urbana, de 29,0% para 26,9%.

Já o serviço de televisão por assinatura era utilizado em 32,8% dos domicílios com televisão em 2017 e em 33,7% em 2016. Em área urbana, esse percentual variou de 36,9% (2016) para 35,6% (2017) e, em área rural, subiu de 11,7% (2016) para 14,1% (2017).

Entre os domicílios sem televisão por assinatura, 55,3% não o adquiriam por considerá-lo caro e 39,8%, por não haver interesse pelo serviço, enquanto somente 1,6% não adquiriu por não estar disponível na área em que se localizava.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here