Início Artigos Gabriel Rossi As duas faces da comunicação de políticos eleitos

As duas faces da comunicação de políticos eleitos

Até outubro, ou no máximo novembro, políticos são entusiastas da internet.

21
0

Não importa a filiação partidária, os interesses ou até os pontos de vista. A maioria dos políticos ainda peca na maneira anômala de tratar o eleitor antes e depois da eleição. Na área de comunicação, são eles aprendizes de Jano, o deus romano que deu origem ao nome do mês de janeiro, conhecido por ter duas faces, uma olhando para a frente e outra para trás. Eles mudam de uma posição democrática de trocas de ideias com a população para uma atitude de reclusão cercada de poder. A comprovação pode ser aferida pela mudança de postura nos canais de comunicação com a população. Tal quadro vem melhorando. João Dória (até o momento) e ACM Neto são boas surpresas. Mas ainda é pouco. Muito pouco.

Até outubro, ou no máximo novembro, políticos são entusiastas da internet. Sites, blogs, redes sociais… mantêm diversas formas de chegar ao eleitor, e de receber dele sugestões e reclamações. Eleições ganhas, fim dos canais de comunicação. O Twitter, por exemplo, fica desativado desde que são eleitos. E não há qualquer explicação a seus milhares de seguidores.

A situação não é nova, é verdade. A presidente impichada Dilma Rousseff foi a primeira a abandonar o Twitter dias depois de sua eleição. Desde 2010, após pedidos de apoio para chegar à Presidência da República, não foi foi capaz de postar qualquer dado, informação na rede. E olha que lá está uma mensagem clara, de 16 de novembro de 2010: “Vamos continuar conversando aqui de vez em quando. Aproveito p/agradecer as muitas mensagens de carinho de vcs (sic). São um grande estímulo”. Infelizmente, a promessa não virou realidade.

Dilma é apenas um exemplo emblemático do que não se deve fazer na internet – principalmente por ser pessoa pública. Os políticos ainda tratam as redes sociais como uma brincadeira passageira, algo que pode ser abandonado da noite para o dia, como uma ferramenta para ganhar votos, nada mais. Falta olhar para a web como um canal revolucionário de comunicação direta com milhões de pessoas. Não é possível ter uma face antes do voto e outra depois.

Um exemplo interessante é o do ex – vereador de São Paulo e agora Secretário do Desenvolvimento Social Floriano Pesaro. Em seu site o cidadão pode opinar sobre diversos assuntos de interesse. Quando Pesaro foi vereador, era possível “votar” nas propostas enviadas por ele à Câmara, antes mesmo que os próprios parlamentares paulistanos o façam. O visitante ainda podia conferir todas as despesas do gabinete, mês a mês, e fazer sugestões para seu mandato. Além disso, o Secretário atualmente mantêm suas redes sociais constantemente atualizadas. Não o conheço, mas cito o caso exatamente pela boa inciativa.

Outro caso promissor, como citado anteriormente, é o do prefeito baiano ACM Neto. Ele atualiza frequentemente o Twitter com informações sobre seu trabalho cotidiano na Prefeitura, além de responder a algumas das mensagens que lhe são direcionadas. Sua atividade, que já é bastante alta, foi ainda maior na época das eleições, período em que ele respondia a boa parte dos eleitores.

Segundo as mais recentes pesquisas, o Brasil tem hoje mais de 100 milhões de internautas. A maioria com idade acima de 16 anos. Levando-se em conta que o País tem cerca de 144 milhões de eleitores, os números são expressivos e por si só já mostram a importância da web para o candidato que deseja se destacar na eleição. Mas a relevância não para no candidato. Continua, sim, para o eleito, o representante da sociedade à frente do poder público.

Quem desejar ter sucesso na carreira política precisa ser humilde, não apenas na aparência. O eleitor conhece mais de internet do que os candidatos ou os partidos. As “marcas” políticas não podem menosprezar este conhecimento e devem apresentar novas formas de comunicação, antes, durante e depois da eleição. Abandonar o eleitor após o objetivo conquistado contribuiu apenas para aumentar a antipatia do cidadão em relação à política.

Já se vão aproximadamente 25 anos do surgimento efetivo da internet no Brasil. Porém, ainda falta um trabalho estratégico bem elaborado, sério e profissional por parte da maioria dos políticos. A internet não é brinquedo que pode ser abandonado pela criança quando se ganha um novo.

Artigo anteriorAutoconfiança e risco
Próximo artigoDa expectativa de alcançar para a jornada de possibilidades
Gabriel Rossi
Palestrante profissional em marketing, estrategista especializado na construção e gerenciamento de marcas e reputação, e diretor-fundador da Gabriel Rossi Consultoria, com passagens por instituições como Syracuse/Aberje, Madia Marketing School, University of London e Bell School. Especialista convidado para lecionar no curso de extensão da Fundação Escola de Sociologia e Política (FESP) e na Pós Graduação de Marketing da USP. Referência de mercado, Gabriel é atualmente o profissional no país mais requisitado pela grande mídia (mainstream) para falar sobre marketing. Escreve e é citado extensivamente, sendo colunista de portais de destaque como Observador Político, possui diversos artigos e estudos publicados no Estadão, o Globo, Brasil Econômico, Correio Braziliense, JT, UOL, HSM e colabora com veículos como Bandnews TV, Folha de São Paulo, Revista Nova, Veja, Portal G1 , entre inúmeros outros. Rossi e sua equipe atuam tanto no campo político como no empresarial. Eles trabalham com empresas internacionais como Petrobrás, The Marketing Store e Tetra Pak, além de candidatos ao Senado Federal. Rossi participou de momentos históricos importantes, sendo comentarista especial da TV Estadão no primeiro e segundo turno das eleições 2010 e comentarista oficial durante a posse da presidente Dilma Rousseff para a rádio Eldorado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here