Início Entrevistas Entrevista exclusiva com Enéas Pestana, presidente do Grupo Pão de Açúcar

Entrevista exclusiva com Enéas Pestana, presidente do Grupo Pão de Açúcar

É diretor presidente do grupo, além de ter sido CFO durante sete anos no mesmo grupo, foi vice-presidente da Diagnósticos da América S.A – Laboratório Delboni Auriemo e trabalhou na GP Investimentos e Carrefour. Graduou-se em ciências contábeis pela PUC–SP.

42
0

O executivo faz um balanço das principais conquistas de 2012, ano de grande crescimento do Grupo Pão de Açúcar, e os maiores desafios para os próximos meses, dentre eles, o objetivo de manter os bons resultados.

1. Resuma os três primeiros anos (2010, 2011, 2012) como líder do maior grupo varejista do país.
Foram três anos intensos em que enfrentei com meu time fortes desafios e mantivemos nosso foco no trabalho. Essa determinação e disciplina resultaram em conquistas significativas. Nesse período, primamos pelo profissionalismo e crescimento do grupo, e os resultados positivos mostram que estamos no caminho certo. Na gestão de pessoas, aprimoramos o ciclo de alta performance por meio da meritocracia, da definição clara de papéis e responsabilidades e da ampliação dos benefícios oferecidos aos colaboradores. Outro passo importante foi a consolidação da sustentabilidade como pilar estratégico da companhia, com a definição de políticas e diretrizes para a área em conexão com todo grupo.

 

2. Liste os principais desafios no período.
No caminho do nosso crescimento, passamos por um complexo desafio que nos rendeu grandes aprendizados. Ser uma empresa multinegócios exige um modelo de gestão e operação que preserve as especificidades de cada formato de negócio e, ao mesmo tempo, possibilite a captura de valor por meio de sinergias decorrentes de um grande grupo. Essa estratégia exige ainda que a consolidação do modelo seja acompanhada e reavaliada constantemente, olhando sempre as partes e o todo de maneira integrada. Outro grande desafio e que eu prefiro chamar de oportunidade, decorre da ascensão da classe C, que nos exigiu repensar nossos formatos/canais de venda. Além da mudança na pirâmide social do país que vem tendo como resultado um aumento no poder de compra da população, estamos diante de um processo de transformação no perfil do consumidor brasileiro, principalmente das classes B e C. Um dos fenômenos que nos chamou atenção especialmente nos últimos dois anos foi o aumento do consumo de produtos com maior valor agregado; aqueles que extrapolam os itens da chamada cesta básica. O consumidor começa a incluir na sua lista um sortimento mais adequado às suas necessidades, promovendo a elevação das vendas de itens que trazem mais praticidade, como congelados, pratos prontos, rotisserie e demais perecíveis, e de produtos de higiene e beleza. Hoje, estamos diante de uma sociedade mais complexa, onde as famílias estão menores e mais pessoas estão morando sozinhas. Há um forte crescimento do uso de redes sociais, o consumidor está mais participativo e preocupado com o futuro dele, da família e do planeta. Ele está mais exigente, com mais pressa e menos fiel às marcas. E tudo isso está redefinindo a maneira como nos relacionamos com nossos clientes em nossos diferentes modelos de negócios. Precisamos olhar com atenção os segmentos minoritários, estamos investindo em múltiplos canais, formatos e no sortimento de produtos. Teremos que nos adaptar à convergência de meios: mobilidade e portabilidade e vamos fortalecer ainda mais os nossos programas de Relacionamento.

3. E as conquistas?
As conquistas foram, de fato, muito significativas porque são resultantes desse novo momento da gestão e do trabalho de um grande time. Como retorno do desafio da operação multinegócios, podemos citar nesses três anos o reposicionamento do Assaí, a reformulação do Minimercado Extra, a conclusão da conversão das lojas CompreBem e Sendas para Extra Supermercado e a consolidação da integração entre Ponto Frio e Casas Bahia. O crescimento da Nova Pontocom e o forte investimento na expansão de todo o grupo também são fatos marcantes. De 2010 para cá, abrimos mais de 140 lojas de todas as bandeiras do grupo e o lucro líquido da companhia vem apresentando crescimento constante e consistente. Mas esses resultados somente foram possíveis porque reunimos um time de alta qualidade e desempenho espetacular. Esta foi a grande conquista do período: liderar uma equipe que hoje soma 160 mil colaboradores focados em suas responsabilidades e conscientes de seu papel. Reforçamos os princípios da meritocracia para que todo o time permaneça engajado e motivado. É um trabalho contínuo e fundamental de ter as pessoas certas nas posições corretas para que o grupo continue crescendo com a referência de alta qualidade nos serviços que oferecemos. Para reunir um time competente e comprometido como o nosso, é preciso ser uma empresa focada em pessoas, que coloque o bem-estar pessoal em equilíbrio com a satisfação profissional, almejando sempre qualidade de vida para todos os colaboradores. Não à toa temos um amplo programa de benefícios para os colaboradores. Em uma companhia com a dimensão do GPA e com a diversidade de formatos de negócio, essa capacidade mostra-se fundamental. Esse é, sem dúvida, uma grande conquista.

4. O que ficou de 2012 (balanço negócios)?
Até a última divulgação de balanço, em setembro, somamos um faturamento de R$ 40,8 bilhões, um crescimento aproximado de 9% em relação ao mesmo período do ano passado. Nos 9 primeiros meses, o lucro líquido do GPA já somava R$ 617 milhões, alta de 90% em relação ao mesmo período de 2011. Vale destacar ainda que fechamos o ano com grande investimento em expansão da rede, com a inauguração de cerca de 80 lojas, com destaque para o Minimercado Extra, que já ultrapassou a marca de 100 unidades, e a criação de mais de 10 mil vagas de trabalho.

5. O que esperar de 2013 (expectativas negócios)?
Temos um plano bem agressivo de expansão para os diferentes formatos de negócio e pretendemos abrir, nos próximos três anos, 500 lojas, criando cerca de 30 mil vagas de trabalho e chegando a praças nas quais ainda não estamos presentes. Em 2013, especificamente, a ênfase de crescimento será nos formatos de atacado, com a bandeira Assaí, e proximidade, com o Mini Mercado Extra, acelerando o ritmo de inaugurações dessas bandeiras, além da expansão orgânica em todos os formatos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here