Esqueci minha senha
Não sou cadastrado
Seja um Membro
 
 
 
publicidade
 
 
 
 
Gabriela Otto
Gabriela Otto
É formada em Comunicação/Relações Públicas pela PUC-RS com pós graduação em Marketing pela ESPM e MBA Executivo pela FAAP-SP. É professora de in company na ESPM e Sócia Diretora da GO Associados - www.gabrielaotto.com, empresa especializada em Marketing Estratégico, Capacitação, Hotelaria & Turismo e Mercado de Luxo, além de responsável pelo blog: http://gabrielaotto.blogspot.com

 
12/07/2015 - 21h54

Valorize seus ‘Invisíveis’

Na cultura de celebridades que vivemos, muitas vezes os invisíveis são incompreendidos.
ALTERA O
TAMANHO DA LETRA

Quando você faz um bom trabalho, quer ser reconhecido, certo?
Pois saiba que existem muitas pessoas muito confortáveis com o anonimato.

Sabe aquele funcionário competente e comprometido, que não faz autopromoção, e até foge dos holofotes?
Pois ele é mais um na legião de ‘invisíveis' da sua empresa.
E justamente por serem low profile, se tornam um desafio para os gestores, pois é fácil considerá-los garantidos. No entanto, é preciso entendê-los, ou o risco de perdê-los é grande.
Eles são encontrados em posições diversas, até o topo. David Zweig, escritor que estuda o comportamento dos invisíveis, afirma: "Para eles, qualquer tempo gasto cortejando elogios ou fama é um tempo roubado do trabalho importante e interessante que eles têm. Sua relação com o reconhecimento é muitas vezes oposta ao que a maioria aprecia: quanto melhor fazem seu trabalho, mais desaparecem. Pode acontecer de só serem notados se algo sair errado."
Ser um invisível tem menos a ver com ser visto, e mais com motivação. Faça o teste. Se você responder ‘sim' para a maioria das perguntas abaixo, talvez seja um invisível:
• Fala mais ‘nós' do que ‘eu'?
• O que o deixa satisfeito é o trabalho em si?
• Ser meticuloso faz parte da sua ética de trabalho?
• É extremamente responsável?
• Não fica atrás de elogios do chefe?
• Tem uma percepção tranquila de si mesmo (‘se basta')?
• Lidera pelo exemplo?
• Quanto mais responsabilidade, mais honrado se sente?
Eles nos ensinam que poder e visibilidade nem sempre andam juntos.
Alguns arquétipos do profissional invisível:
• Ghostwriter (escritor que não assina suas obras) - Você conhece Alan Dean Foster? E Star Wars? Pois é, ele escreveu.
• Anestesista
• Editor
• Perfumista
E quem são os invisíveis na sua empresa? Seria...
• ...o assistente administrativo que tem um índice de produtividade maior que seu gerente, mas você nem sabe o nome?
• ...a telefonista que todos elogiam e você nem cumprimenta ao entrar no refeitório? Isso se você vai ao refeitório...
• ...o vendedor que sempre bate suas metas individuais, e que você não reconhece porque o resultado geral da empresa não foi alcançado?
• ...ou o gerente daquela área que não dá problema, mas você acha meio ‘mole', porque não se posiciona nas reuniões mensais?
São pessoas que, quanto melhor fazem seu trabalho, menos os percebemos.

 

 

Na cultura de celebridades que vivemos, muitas vezes os invisíveis são incompreendidos. Durante muitos anos, os alunos e profissionais mais cultuados foram os extrovertidos. Mas livros como o best seller "O Poder dos Quietos", de Susan Cain, revela que muitas pessoas fazem melhor seu trabalho sozinhas. A veneração atual pelos escritórios abertos, por exemplo, muitas vezes não proporciona os melhores resultados, apenas desvia a atenção para os que defendem seus pontos de vista falando mais alto.
Portanto, cuidado para não se perder no ‘barulho', e deixar as qualidades silenciosas passarem desapercebidas. Se um invisível percebe que a empresa é paternalista ou promove profissionais com performances questionáveis, imediatamente começa a atualizar o currículo.
Então como lidar com eles?
1) Identifique-os.
2) Reconheça-os como modelos, aqueles que ‘jogam' para o time.
3) Recompense-os de forma justa (muitos sabem o valor que tem).
4) Converse abertamente e saiba o que funciona para eles.
5) Certifique-se que seu trabalho seja interessante.
A recompensa de saber lidar com os invisíveis não é só mantê-los (pois eles fazem toda a diferença no seu negócio), mas internalizar sua ética e excelência na cultura da empresa.
Por fim, tenha estrelas em posições que exijam esse perfil, mas mantenha muitos invisíveis satisfeitos.
Se quiser saber mais sobre o assunto, recomendo o livro "The Invisibles" (ainda sem tradução para o português) de David Zweig.
Mas independente da leitura, valorize seus invisíveis!

 



Comentários
 


 
Não consegue ler? Gere um novo aqui

 
 
 
Mais artigos
MERCADOLOGIA - 21/03 | 20h51
EMPREENDEDORISMO - 15/03 | 22h14
MERCADOLOGIA - 10/02 | 19h07
Veja mais artigos
 
publicidade

 
publicidade
 
 
 
 
 
 
 


www.joww.net | Johnatan Oliveira